segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Opinião | "Ao fechar a porta" de B. A. Paris

Ao Fechar a Porta
Classificação: 4 Estrelas

Nota: Esta opinião contém spoilers (estão identificados)

Eu estava com elevadas expetativas para este livro. A Denise vibrou com ele e achou-o fenomenal. Isto criou uma espécie de pressão em mim, porque tinha receio de quebrar a beleza do livro aos olhos da Denise. E claro, ela disse logo que perdia a esperança em mim (qual "assassina" de livros). 

Com esta miscelânea de sentimentos lá parti para a leitura. O início causou-me sintomas de ansiedade. Houve momentos em que me senti verdadeiramente angustiada com a Grace e a situação em que ela se encontrava. Este momento inicial do livro é mesmo bom, tão bom ao ponto de me sentir claustrofóbica com as situações que iam acontecendo. 

Grace e Jack têm uma relação muito rápida, porém a autora foi inteligente nesse aspeto. A alternância entre passado e presente acaba por esbater essa rapidez e faz com que tudo nos parece credível aos nossos olhos. E é assim que nasce um casal perfeito que me cortou a respiração em alguns momentos. 

É uma narrativa que avança depressa nem há partes muito aborrecidas. Porém chega a um momento em que a história parece entrar num momento mais estagnado, onde não acontece nada de suficientemente significativo. Não me chegou a causar aborrecimento, pois a escrita é fluída e já estava bastante envolvida com as personagens, os seus dilemas e as suas angústias. O que me aconteceu foi não me sentir muito impressionada com o que passou a acontecer. Foi como se o livro perdesse um pouco de suspense e as cenas deixaram de ter grande impacto em mim. 

Há aspetos em que o livro merecia mais. A dada altura Jack conta o seu segredo. Foi demasiado rápido, acho que seria importante contextualizar melhor este segredo de Jack e desenvolver melhor as coisas. ALERTA SPOILER - O Jack chega a referir que o nome foi alterado, para parecer mais credível e ter impacto nos outros, mas nunca sabemos qual era o seu nome verdadeiro e como é que ele tratou do processo. Dadas as circunstâncias deste segredo como é que ele chegou ao patamar profissional em que se encontra? O que é que ele faz nas suas viagens à Tailândia enquanto deixa a Grace no quarto? Porquê é que preferia a Millie para induzir o medo, quando o conseguia na perfeição com a Grace? Para mim estas foram algumas das pontas soltas que me causaram alguma insatisfação. - FIM SPOILER

Fiquei um pouco amargurada com aquele final. Foi até um conjunto de sentimentos agridoces. Gostei do diálogo entre a Grace e a Esther, mas acho que foi tudo demasiado rápido. A autora não deu o espaço suficiente para que o clímax crescesse e se findasse de forma mais completa e coesa. 

Foi por estes aspetos que não atribuiu uma classificação superior a este livro. Eu gostei do livro, mexeu comigo em alguns momentos e achei credível. Só lhe faltaram algumas coisas para o tornar perfeito.

2 comentários:

  1. Já fico muito contente que tenhas gostado, apesar do que apontaste.
    Eu acho que cheguei a fazer alguma interpretação das viagens à Tailândia e o porquê de ele escolher Millie. Ele usava as ameaças à Millie para induzir medo à Grace, e foi isso o que a fez lutar para chegar àquele final. Acho que se a Millie não existisse, ele nunca se teria aproximado de Grace.
    Depois podemos discutir isto melhor, se bem que não me lembro exatamente de todos os pormenores nem das minhas teorias. Teria de ler o livro outra vez.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!