sexta-feira, 8 de março de 2019

Dia Internacional da Mulher


13 é o número de mulheres vítimas de violência doméstica em Portugal só nos três primeiros meses de 2019. E isto são as vítimas noticiadas e conhecidas. Quantos suicídios são o resultado de exaustão emocional e física sentidos pelas vítimas. E estas nem sempre entram nas estatísticas. 

Adicionando a este número de mulheres a quem a vida é retirada, ainda temos de considerar as vítimas indiretas. Quantas crianças se veem órfãs de pai e mãe (a mãe que morre e o pai que fica preso ou não o sendo não reúne condições para cuidar delas)? Como fica a família alargada perante esta tragédia?

Nada contra para com as mulheres que decidem celebrar este dia com almoços ou jantares especiais. Contudo, enquanto muitas mulheres estão em restaurantes a rir, a comer, a divertir-se algures no país há uma jovem que deixa o seu namorado aceder ao seu telemóvel e controlar aquilo que veste, há uma mulher a ser chamada de incompetente, há uma mulher cansada porque trabalhou horas mais e pelas quais não vai receber compensação, há uma mulher a ser agredida fisicamente... Enquanto muitas festejam este dia sem conhecerem o seu verdadeiro significado algures no mundo há mulheres impedidas de estudar, de ter um trabalho digno, de tirar carta de condução. E, em todo o mundo, encontramos mulheres a desempenhar as mesmas funções do que um homem, mas com um salário menor. 

Acho que este dia não deveria ser ocupado por palavras ocos ou por gestos ocasionais. Não deveria ser apenas um dia para as mulheres se juntarem e festejar, mesmo que depois ao longo do ano sintam prazer em atacar a sua semelhante. Deveria ser um dia para que cada mulher pudesse fazer valer os seus direitos, soubesse o verdadeiro significado de solidariedade e refletisse sobre o seu papel na sociedade e enquanto agende de educação das gerações mais novas.

Sim, acho que a violência doméstica/ conjugal acontece porque não há educação para a cidadania, para o respeito ao outro e, acima de tudo, há uma enorme falta de empatia para com qualquer outro ser vivo, humano ou animal.

Que em cada dia do ano, possamos celebrar os direitos conquistados não deixando de lutar por aqueles que ainda se encontram esquecidos nos meandros de uma sociedade machista. Que todos os dias sejam transmitidos valores, por homens e por mulheres, que dignifiquem a mulher e que condenem qualquer ato de violência. Que homens e mulheres partilhem responsabilidades, direitos e deveres. Que homens e mulheres se respeitem. Que desde cedo as crianças aprendam a preservar a sua intimidade e a sua integridade física e emocional. Que conheçam o verdadeiro valor de um "não", que digam "sim" convicto e autoconfiante e que jamais tenham medo de dizer "basta". 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!