quinta-feira, 3 de maio de 2018

Resumo do mês | Abril

Março tinha sido um mês de leituras sangrentas. Foi demasiado crime para um mês só. Assim, ao iniciar Abril a minha vontade era ler daqueles romances capazes de nos provocar uma diabetes literária. As leituras, tal como em tudo na minha vida, não correram de acordo com aquilo que eu tinha idealizado. 
Dada a minha sede pelo amor literário, nada melhor do um beijo daqueles de soltar suspiros. Melhor ainda é quando esse beijo vem acompanhado de cenas de nos levar às lágrimas de tanto rir (Aquele beijo - Julia Quinn). Já foi tanto o açúcar que a Denise quis evitar uma crise de glicémia e obriga-me a voltar as cenas de crime. As cenas não tiveram a intensidade de outros ambientes de crime, acho que houve uma sobrevalorização dos criminosos e fiquei aborrecida com algumas coisas (Confissões - Kanae Minato). Eu sei, eu sei... Esta minha mania de pensar demasiado naquilo que leio e de racionalizar as situações nem sempre é saudável, mas não consigo evitar. Com este alinhamento literário e voltar a pequenas doses de açúcar. Sabemos o quanto o açúcar vicia e nos deixa a salivar perante a ideia de saborearmos uma pequena amostra de uma guloseima. Tem que ser com regra, por isso recorri aos contos (Uma amizade sincera, Duas histórias a meu modo e O meu primeiro beijo de Clarice Lispector) e deliciei-me com diferentes formas de amor. Bem, já que tinha quebrado com os meus desejos iniciais, por isso voltei ao crime. As cenas foram pouco entusiasmantes, talvez falte a Portugal daqueles seres avariados que são capazes de crimes que não lembram ao mais comum dos mortais (O homem que sonhava ser Hitler - Tiago Rebelo). O entusiasmo literário estava um pouco fragilizado, e claro, eu tinha que o fragilizar mais e meter-me a explorar um ano francês (O ano francês - Daniela  Rodrigues) que de França não tinha nada. Estava em situação de fraqueza estrema, era urgente pegar em alguma coisa suficientemente doce para me animar o espírito, mal eu sabia que estava perante uma bomba calórica de açúcar (Acordo com o Marquês  - Sarah MacLean). E aqui, chegada ao final do mês de Abril, lambuzei-me até à ultima página e fiz algo que já não fazia há muito: poupei a leitura para que o sabor durasse mais tempo. 


4 comentários:

  1. Mas que texto tão engraçado! Por acaso no mês passado tinha lido sobre a tua necessidade de fazer uma pausa no crime (literário), mas penso que foi exatamente no dia em que te enviei o livro do empréstimo surpresa. Já não fui a tempo de evitar! eheh

    Pareces já ter o corpo bem docinho, pois voltaste aos policiais!
    Eu andava com vontade de qualquer coisa mais para o sensual, mas entretanto estou a precisar de algo do género terror, para fins de pesquisa. É interessante como não tenho quase nada de terror na minha estante (tenho unicamente 2 livros do Stephen King).

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :). Não tem mal :D.

      Ainda não está muito doce, faltou um contemporâneo para terminar em beleza.
      Eu nunca li nada de terror.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Olá!
    O que importa é lermos ;) irão sempre haver livros bons e menos bons :)
    No worries.
    Um beijinho e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isa :)
      É mesmo e ainda bem que nos cruzamos com eles. Acho que aprendemos sempre qualquer coisa :).
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!