segunda-feira, 2 de abril de 2018

Resumo do mês | Março

Março abraça a Primavera com uma necessidade urgente de renovação. Ainda não senti esse espírito de renovação quer no meu interior quer na minha vida, mas os livros continuam a ser uma enorme fonte de inspiração e boas energias. O engraçado é que, ao longo de todo o mês de Março, as minhas leituras tenderam para temáticas cinzentas e dolorosas, apenas houve um pequeno apontamento de cor. A morte foi o tema que inaugurou o meu mês literário (Morreste-me - José Luís Peixoto). Foi uma reencontro com um autor que não me tinha convencido, porém a sua abertura sincera e tocante fizeram renascer em mim a vontade de ler outras obras. A morte continuou a pairar sobre o meu universo literário, desta vez agarrada a estudantes de enfermagem (Mortalha para uma enfermeira - P. D. James) carregadas de segredos complexos e obscuros. Para mim, não foram nada entusiasmaste e a morte neste livro foi um verdadeiro tédio. Não fiquei satisfeita! A morte continuou a chamar por mim, como um rio sinuoso, com encantos especiais que atrai mulheres muito peculiares (Escrito na água - Paula Hawkings). A água deste rio fez com que o mistério e suspense corressem nas minhas veias com uma adrenalina muito especial. Porém estava na altura de quebrar um bocadinho esta escuridão que pairava sobre mim. Precisava de um pequeno apontamento de felicidade, agarrá-la nem que fosse clandestinamente (Felicidade clandestina - Clarice Lispector). Foi uma felicidade passageira, agarrada a fugacidade de um conto e ao carinho especial que só os livros podem trazer. Contudo, mês que começa mortífero tem de terminar mortífero. A morte é inevitável e ninguém lhe escapa, porém os contornos que a envolvem fazem a diferença (À morte ninguém escapa - M. J. Arlidge). Depois de tantos cenários de morte que passaram por mim este mês não esperava ser surpreendida pelas últimas mortes. Foi um mês mortífero, alguns mais sanguinários do que outros, mas serei incapaz de resistir a elas. Talvez em Abril lhes dê algum espaço. Preciso de luz e de amor, tentarei manter-me afastada de criminosos sedentos de sangue e de tortura.

  Ã€ Morte Ninguém Escapa (Helen Grace #2)           Mortalha Para Uma Enfermeira

                                                   (o melhor)                                                  (o pior)
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!