quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Janeiro | Quem chegou?

O primeiro mês do ano trouxe-me bons livrinho. Apresento-os já de seguida.

Biblioteca
O Psicanalista          À Morte Ninguém Escapa (Helen Grace #2)

Estes dois livros bem interessantes vieram diretamente da biblioteca. O psicanalista "conheci" através da Denise que farta-se de dizer que há anos que o quer ler. A curiosidade dela acabou por passar para mim. Vi-o na biblioteca e decidi trazer. Quando ao À morte ninguém escapa estou com algum receio de não perceber a história. Só em casa descobri que é o segundo volume de uma série. Espero que começar pelo segundo não interfira na compreensão. Normalmente, neste género de livros não influência.

Ofertas
Verão em Edenbrooke (Edenbrooke, #1)

Gentilmente cedido pela Topseller chegou cá a casa o livro Verão em Edenbrooke. Já terminei esta leitura que foi maravilhosa. Partilharei, em breve, a opinião.

Empréstimo
Duplo Crime (Jane Rizzoli & Maura Isles, #4)
Este foi um livro enviado pela Denise no âmbito do nosso projeto Empréstimo surpresa. Já está lido e a opinião está no blog. Falta-me apenas responder ao desafio.

Compras
Duas Mulheres, Dois Destinos

Comecei o ano a desgraçar-me. Apanhei este livro num leilão (graças à Denise) e decidi que 11,50 €  (já com portes) era um preço demasiado apetecível para não aproveitar. E cá chegou ele cá a casa e, assim, dar continuidade à minha coleção de livros da autora.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]


Terminada a leitura do livro que a Denise me enviou chegou a altura de ser eu a "mensageira literária" e enviar-lhe mais um livrinho.
Desta vez escolhi o seguinte livro:


Apenas um desejo
Barbara O'Connor


Este livro foi uma das minha melhores leituras de 2017. Tem um doçura tão especial que me deixou muito sensibilizada. Curiosa com a opinião da Denise em relação a este livro, achei que era uma boa altura para lho enviar.
Para além disso tem uma escrita simples e cativante, o que acho que é o ideal para quebrar com leituras mais densas.

domingo, 28 de janeiro de 2018

Opinião | "A Boneca de Kokoschka" de Afonso Cruz

A Boneca De Kokoschka
Classificação: 1 Estrela

Acho que está será das opiniões mais difíceis de escrever desde que tenho o blog. Não vai ser fácil expor a minha posição perante um livro que é adorado por imensas pessoas e que tem imensos fãs. 
Parti para a leitura deste livro cheia de esperanças: a sinopse prometia coisas interessantes e a elevada pontuação no goodreads deixaram-me na expetativa de me ir cruzar com mais um bom trabalho de um autor português.
Infelizmente não encontrei nada que me fizesse sentir ligada ao livro ou que me levasse a amar toda a história contida naquelas páginas.

Foi uma leitura muito difícil. A meio do livro, já desesperada por não ver nada de significativo a acontecer nem me estar a sentir ligada à leitura, fui ler opiniões (geralmente só gosto de ler as opiniões aos livros depois de os ler, raramente leio um livro por ter lido/visto opiniões de outras pessoas) para ver o que não estava a bater certo comigo. 90% das opiniões a este livro eram maravilhosas. Atribuíam-lhe os mais elevados elogios, mas eu continuava sem os encontrar no livro.

A muito custo consegui terminar a leitura. Pouco ou nada me ficou do livro. Uma escrita muito confusa e, muitas vezes, me pareceu refletir a preguiça de abordar de forma coerente e exaustiva e os assuntos que se propunha abordar.
O título e a sinopse são enganadores, porque vi muito pouco daquilo que eles me fizeram antever.
Achei que a escrita tinha muito pouca expressividade e emotividade. São páginas de texto corrido, com apontamentos de diálogo que não nos mostram a essência nem da história nem da narrativa. Eu não consegui ver beleza nem escrita, nem na narrativa porque não conseguia perceber qual a intenção do autor, nem o que é que ele me queria contar. A dada altura, e depois de ter lido as opiniões, comecei a sentir-me muito burra pois estava desesperada por tentar perceber, interiorizar e assimilar todas as maravilhas que as opiniões atribuíam a este livro.

Chegamos a uma parte do livro, em que outro livro aparece. Penso que o autor quis ser original na forma como numerava os capítulos desse outro livro. Pessoalmente, não fez qualquer sentido. É irreal e despropositado.

Sou daquelas pessoas que acha que não é preciso grandes floreados, nem formas rebuscadas de narrar uma história para se fazer um bom livro. Acredito, como em tudo na vida, que less is more. Que pegarmos numa ideia e transformá-la em algo estruturado, coerente e abordado de forma a esgotarmos o assunto poderemos ter um excelente livro. Nem sempre a originalidade está na forma irreverente como procuramos fazer as coisas.

Estou mesmo triste por não ter conseguido sentir este livro de uma maneira mais completa. Sinto-me frustrada por não ter encontrado a beleza e a genialidade que grande parte das opiniões deixa transparecer.
Ainda quero dar uma nova oportunidade ao autor. Quero ler outro livro para ver se a leitura corre melhor e se consigo sentir aquilo que os outros leitores conseguem.
Têm alguma sugestão para mim?

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Palavras Memoráveis


Todas as rapariguinhas têm dentro de si o potencial para serem estrelas pop, bailarinas, médicas, advogadas, polícias ou prostitutas, mas para tomarem as decisões certas precisam do apoio e da orientação de pessoas cuja responsabilidade é o seu cuidado. 
Maria Landon, Mais não, papá!

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Opinião | "Tua para sempre" de Luanne Rice e Joseph Monninger

Tua Para Sempre
Classificação: 2 Estrelas

Comecei a leitura deste Tua para sempre sem grandes expetativas. Já conhecia a autora e, daquilo que li, foram todas leituras medianas. Nem muito boas, nem muito más. Tendo estas experiências anteriores, e mesmo sabendo que este livro foi escrito em colaboração com outro autor, não estava à espera de encontrar um livro que me arrebatasse o coração e baralhasse os sentidos.

O livro está escrito em forma de cartas. Há um casal, que depois de viverem momentos traumáticos, passam a trocar cartas entre eles. São essas cartas que compõem o livro. Nunca li nenhum livro que se apresentasse neste formato, e este não me convenceu.
Em nenhum momento do livro consegui sentir o sofrimento das personagens e não me senti próxima delas nem capaz de aceder ao seu interior. 
Fui lendo, as páginas foram passando, mas da história em si pouco ficava. No fundo, as palavras e os momentos do livro não tinham a intensidade capaz de me fazer ler com mais avidez e de se impregnarem na minha memória. 

É um livro que serve o seu propósito de entreter. Quem tiver disponibilidade, quase de certeza que o lê durante um dia. Contudo, apesar destes aspetos é um livro que não me marcou e o qual facilmente esquecerei ao fim de alguns dias.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Opinião | "Duplo crime" de Tess Gerritsen (Rizzoli & Isles #4)

Duplo Crime (Jane Rizzoli & Maura Isles, #4)
Classificação: 5 Estrelas

Quando este livro me chegou às mãos fiquei logo entusiasmada para o começar a ler. É uma série da qual gosto particularmente. É uma série policial, misturada com boas doses de suspense e mistério. Tenho um fascínio especial pelas análises aos locais de crime, a investigação criminal e o detalhe técnico da descrição das autópsias. Estas são características muito particulares desta série e reconheço que poderão não ser do agrado de todos os leitores.

É ingrato escrever uma opinião para este livro. Tenho de ter cuidado naquilo que escrevo, pois até aquilo que me parecem simples pormenores, poderão estragar a leitura de quem pega nestes livros para ler. Penso que, o grande interesse deste género de livro é saber o menos possível e aventurar-se na leitura.

Este é o quarto livro da série e dirige o seu foco para a personagem da Maura. No fundo, todas as coisas que irão acontecer, terão como ponto de partida a vida passada de Maura.
Neste enorme foco sobre a médica-legista, a nossa polícia Jane Rizzoli acaba por ir para segundo plano. Fiquei um pouco triste porque queria ter acompanhado mais da sua vida pessoal e de como esta a lidar com todos os desafios que descobri nos livros anteriores.

Achei muito interessante como as coisas foram emergindo. Consegui ficar presa a tudo e a minha curiosidade aumentava a cada página lida. E o mais cativante de tudo é descobrir a forma engenhosa como, a partir de um crime, se desenlaça uma teia de situações que me deixaram rendida à mestria e inteligência da autora para tecer uma história assim.

A cada livro que leio da série, reforço o meu gosto por ela. Com este meu gosto crescente, tenho uma enorme vontade de conhecer mais livros.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Palavras Memoráveis


Demorei muito tempo a aceitar que a vida era muito mais complexa do que eu ou do que as minhas decisões boas ou más. Que era impossível saber como as minhas decisões afetariam o futuro. 
S. D. Robertson, Tempo de dizer adeus

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Divulgação | "Anita Garibaldi" de Thales Guaracy





















Anita Garibaldi é a nova aposta da editora Castor de Papel/4 Estações.
É um livro que nos retrata um história real de uma revolucionária que teve uma vida cheia de entusiasmos, coragem, rebeldia. 
Eu tenho um gosto particular por livros que nos apresentam personagens que outrora foram reais, que existiram. Para mim é sempre apaixonante descobrir mulheres cheias de garra e coragem, que desafiaram os possíveis e os impossíveis. Parece-me que Anita era uma dessas mulheres extraordinárias que desafiam tudo e todos aqueles que se lhe atravessem pelo caminho.

Quem está curioso/a para conhecer melhor esta mulher? 




sábado, 13 de janeiro de 2018

Por detrás da tela | "O estranho caso de Benjamin Button" (2008)

Classificação: 7/10 Estrelas

Este filme estava na minha lista de filmes para ver há imenso tempo. Estava com muita curiosidade para ver como todo o enredo se desenvolve. 
Assim, aproveitei o facto de ele ter passado na Sic, no fim-de-semana passado e vi o filme.

Pegando numa visão geral, posso dizer que gostei bastante do filme. Tem originalidade, um enredo coeso e cativante e uma relação interessante entre as personagens e os acontecimentos. No fundo, penso que reúne os ingredientes essenciais para para me deixar presa ao filme e não adormecer.

Relativamente ao desempenho das personagens, Brad Pitt esteve muito bem no papel de Benjamin. Acho que as características da personagem, a carga emocional e o excelente trabalho de caracterização lhe assentaram de uma forma única e realista. Já a personagem Daisy, interpretada pela Cate Blanchett, não me convenceu. Não é uma atriz que se expresse bem em termos emocionais, faltando-lhe aquele brilho especial que a tornasse numa personagem memorável. A personagem em si tem um papel relevante, mas a forma como ela se desenvolveu pareceu-me um pouco artificial. Senti falta de algo que a tornasse humana aos meus olhos. Acho que foi a primeira vez que a vi num filme, mas tenho curiosidade em ver mais trabalhos dela no sentido de constatar se esta frieza interpretativa está inerente ao enredo ou é algo que já faz parte dela. 

O filme é longo, mas não aborrece. A curiosidade vai aumentando ao longo do desenrolar dos acontecimentos, assistimos ao "crescimento" das personagens ao longo do seu ciclo de vida e isso é muito satisfatório. Penso que a única pessoa que acabou por ficar despercebida mais para o final do filme foi a irmã de Benjamin, filha biológica dos pais adotivos de Benjamin. 

2018 começou muito bem em termos cinematográficos. Um filme que, de certeza, me ficará na memória.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Português no masculino | Autor de Janeiro

Resultado de imagem para Afonso cruz

Afonso Cruz

O autor que eu escolhi para ler durante o mês de Janeiro foi Afonso Cruz. 
Vou ler o livro A Boneca de Kokoschka. Vou iniciar a leitura segunda-feira. Se alguém se quiser juntar a mim, só têm de deixar um comentário. 

A Boneca De Kokoschka

A minha experiência de leitura das obras do autor é muito escassa. Li apenas um conto, mas foi há tanto tempo que já não me lembro muito bem com que impressão fiquei. 
Pelo que vou vendo na blogoesfera, Afonso Cruz é um autora que reúne o consenso por parte dos leitores. Cruzo-me com muitas opiniões positivas ao seu trabalho daí estar com expetativas bastante positivas em relação a esta leitura.

Qual é a vossa opinião acerca deste autora?
Que outras obras me recomendam?

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Palavras Memoráveis


- (...) Não me arrependo do que fiz. Não gosto de arrependimentos. Não têm sentido. O importante depois de tomares uma decisão é seres fiel a ela.
S. D. Robert, Tempo de dizer adeus

Opinião | "És o meu destino" de Lesley Pearse (Belle #3)

És o Meu Destino (Belle #3)
Classificação: 5 Estrelas

Nota: Esta opinião contém spoilers relativamente aos livros anteriores da série. 

Os livros têm aquele poder especial de nos proporcionar sensações diversas. Há livros que nos despertam sorrisos, outros que nos levam às lágrimas, outros que nos deixam zangados, outros que são uma grande fonte de indiferença... E depois há os livros da Lesley Pearse que me oferecem todas estas sensações num único livro. 

Sou uma fã incondicional da autora. Vibro com as histórias dela, choro, sofro pelas personagens e amo-as como se fossem pessoas reais que me enchem o coração de sentimentos muito positivos. Andava desejosa por terminar a série Belle. Desde o primeiro livro que me apaixonei pelo misterioso Étienne e pela corajosa Belle. Queria saber como é que funcionavam eles enquanto casal. E não me desiludi!! Senti o amor entre eles em cada página em que eles apareciam e ainda me apaixonei mais por este homem de um olhar que pode ser frio e caloroso ao mesmo tempo. 

Mas a personagem central deste livro é Mariette, filha de Étienne e Belle. Nas primeiras páginas do livro, estava muito irritada com esta jovem. Era de uma rebeldia aterradora e que deixava os pais muito preocupados. Porém à medida que o livro foi avançando e estas personagens foram engolidas pela Segunda Guerra Mundial, assisti a um crescimento ímpar desta jovem. Ela passa por grandes desafios. Foram tão intenso e tão bem escritos que não consegui evitar as lágrimas. 

Quem se atreve a "mergulhar" nestes livros sabe que vai encontrar drama, muito drama. Sei que, muitas vezes, os livros desta autora são criticados por isso mesmo. Eu não sinto que as situações dramáticas são exageradas ou descontextualizadas. Consigo ver tanto realismo, tanto sentimento, tanta empatia na forma como a Lesley escreve, que o drama surge de forma natural e apelativo ao leitor. 

Senti-me em casa ao rever personagens antigas. Foi uma leitura que me encheu o coração e que cria em mim um comportamento antagónico. Se por um lado quero ler de forma desenfreada para conhecer o mais rapidamente possível a história e o desenrolar dos acontecimentos, por outro não quero que o livro acabe e me deixe a ressacar por mais e mais. 

Tenho plena consciência que este género de livros não agradará a toda a gente. Há particularidades que podem afastar os leitores sem paciência para os dramas ou para o romance. 
Este é um livro sensível, com muitos acontecimentos traumáticos, mas que possui também aventuras, romance e situações engraçadas. 

É uma série que, daqui a alguns anos quero reler e espero sentir as mesmas emoções que senti agora. 
Mesmo que tenham o pé atrás relativamente a livros com estas características, experimentam pelo menos um da autora. Ela tem uma escrita muito boa e fluída e pode ser que se deixem conquistar por ela e pelas personagens femininas cheias de força e de garra. 

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Resultado | Sondagem


No passado dia 18 de Dezembro lancei um desafio aos meus leitores: indicarem-me a sua melhor leitura de 2017. 
O formulário esteve ativo até ao dia de ontem e hoje venho apresentar-vos a lista de livros que me deixaram:
  • O menino de Cabul de Khaled Hosseini
  • Ao fechar a porta de B. A. Paris
  • O castelo de vidro de Jeannette Walls
  • Menina boa, menina má de Ali Land
  • Irmãs de Claire Douglas
  • It can't happen here (Não vai acontecer aquide Sinclair Lewis
O Menino de CabulAo Fechar a PortaO Castelo De VidroMenina Boa, Menina MáIrmãsIt Can't Happen Here

Muito obrigada a tod@s aqueles(as) que deixaram a sua sugestão.
Agora é a fase da escolha. 
Assim, até dia 22 irei deixar aberta a votação para escolherem um livro para eu ler durante este ano. Inicialmente eu tinha indicado dois, mas dado que não foram assim tantas sugestões decidi que os leitores do blog escolheriam um e eu escolheria outro. 
Depois anunciarei o livro mais votado.



segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Este ano calhou a mim receber o primeiro livro do ano no âmbito do nosso projeto conjunto. Já não recebia um livro da Denise desde de Setembro, por isso foi muito bom receber o envelope em casa e ter aquela sensação de expetativa d' O que virá aqui dentro?

Fica aqui o livro escolhido pela Denise.
Duplo crime
Tess Gerritsen

Fiquei muito contente com esta chegada. Gosto muito da série e vai saber bem continuar na onda das boas leituras. 
Não se esqueçam de passar pelo blog da Denise para conhecer os motivos para o envio deste livro. 

sábado, 6 de janeiro de 2018

Opinião | "Emocionário" de Cristina Núñez Pereira

Emocionario: Di lo que sientes
Classificação: 5 Estrelas

Queria que a minha primeira leitura do ano fosse especial. Queria um livro que me transmitisse positividade e força. Então decidi pegar no Emocionário, um livro infantil que me foi oferecido por uma amiga especial, no meu último aniversário. 
É um livro que aborda os sentimentos de uma forma simples e muito cativante. As ilustrações são de uma beleza singela e que me deixavam agarrada às páginas.

Recorrendo a um texto simples, com exemplos quotidianos, a autora vai expondo os sentimentos humanos, seguindo uma sequência muito lógica. 
É um bom livro para ler com as crianças e explorar o mundo emocional dos humanos. Através do livro podemos mostrar-lhes o quanto todas as emoções são importantes e de que forma elas se manifestam no nosso interior e exterior. 

Uma leitura bem pequenina, mas muito saborosa para este início de 2018. 

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Balanço | Por detrás da tela 2017

Em 2017 comecei a registar os filmes e as séries que vi. Queria ver mais filmes e controlar melhor as minhas viagens pelo mundo cinematográfico. 
Não vi tantos filmes quanto gostaria, mas dada a minha tendência para ler mais do que ver filmes acho que nem correu muito mau. 
Vi um total de 22 filmes, sendo que três deles foram uma segunda visualização.
As séries continuam a aparecer de forma muito rara na minha vida. Só acompanhei duas: O ministério do tempo,  da qual vi a primeira temporada; e Victoria, da qual vi duas temporadas. 

Filmes

  1. Frida (2002)
  2. Piper (2016)
  3. Mulher infiel (2015)
  4. A Bela e o Mostro (1991) - 2ª Visualização
  5. Fixing Luka (2011)
  6. Divertidamente (2015) - 2ª Visualização
  7. Enquanto dormias (1995)
  8. Marley e eu (2008)
  9. Cegonhas (2016)
  10. A proposta (2009)
  11. Meia noite em Paris (2011)
  12. Perseguição escaldante (2015)
  13. Dirty dancing - dança comigo (2017)
  14. Cantar! (2016)
  15. La vie en rose (2007)
  16. Diana (2013)
  17. Um Sonho Possível (2009)
  18. Principezinho (2015)
  19. É a vida (2010)
  20. A rapariga que roubava livros (2013) - 2ª Visualização
  21. A idade de Adeline (2015)
  22. Capitão fantástico (2016)
Séries
  1. Victoria (2016) - 1ª Temporada
  2. O Ministério do Tempo - 1ª Temporada
  3. Victoria (2017) - 2ª Temporada

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Balanço | Mealheiro literário 2017


O ano passado não consegui manter este registo atualizado. Este ano decidi ser mais metódica e registar todos os meus gastos, incluindo os gastos com os livros.
Aqui ficam os valores associados aos livros que li, ao que gastei nos CTT a enviar livros de trocas e de empréstimos e aos livros que comprei. 

Janeiro
Livros lidos:
  • Ofertas (2) = 27.71€
  • Biblioteca (1) = 17.76 €       
Poupança = 45.47€
Compras = 21.90€
Despesas CTT= 5.46€

Fevereiro
Livros lidos:
  • Ofertas (2) = 31.95€
  • Biblioteca (1) = 17.16€
  • Empréstimos (2) = 30.19€
  • Passatempo (1) = 16.90€
Poupança = 96.20€
Despesas CTT = 2.94€

Março
Livros lidos:
  • Ofertas (3) =48.29€
Poupança = 48.29€
Despesas CTT = 0.86€

Abril
Livros lidos:
  • Ofertas (3) =44.50€
  • Biblioteca (1) = 16.96€
  • Empréstimo (1) = 16.96€

Poupança = 79.15€
Despesas CTT = 4.80€

Maio
Livros lidos:
  • Ofertas (1) =15.93€
  • Biblioteca (2) = 24.90€
  • Troca (1) = 15.90€
Poupança = 56.73€
Despesas CTT = 2.22€

Junho
Livros lidos:
  • Ofertas (2) = 24.84€
  • Empréstimo (2) = 35.39 €
  • Troca (1) = 16.90€
Poupança = 77.13€
Despesas CTT = 6.71€

Julho
Livros lidos:
  • Ofertas (3) = 26.72€
  • Biblioteca (1) = 13.41€
  • Empréstimo (1) = 14.67€
Poupança = 54.8€
Despesas CTT = 1.93€

Agosto
Livros lidos:
  • Ofertas (4) = 141.58€
  • Biblioteca (3) = 40.81€
  • Empréstimo (1) = 16.90€
  • Passatempo (2) = 29.52€
  • Troca (1) = 16.90
Poupança = 245,71€

Despesas CTT = 7.91€
Compras = 10€

Setembro
Livros lidos:
  • Ofertas (1) = 19.70€
  • Biblioteca (3) = 17.95€
Poupança = 37,65€

Compras = 27€

Outubro
Livros lidos:
  • Ofertas (3) = 46.69€
  • Empréstimo (1) = 17€
Poupança = 63,69€

Despesas CTT = 1.48€

Novembro
Livros lidos:
  • Ofertas (1) = 11€
  • Biblioteca (2) = 30€
  • Empréstimo (1) = 10.90€
Poupança = 65,90€

Despesas CTT = 2.40€

Dezembro
Livros lidos:
  • Ofertas (1) = 16.91€
  • Passatempo (1) = 16.90€
  • Empréstimo (2) = 28.67€
Poupança = 62,47


Despesas CTT = 1.95€


Poupança anual =  832.98€
Despesa anual = 98.56€

Olhando para estes valores faço um balanço muito positivo. Comprei apenas 6 livros, 5 foram em segunda mão e outro foi novo mas utilizei um cupão de desconto de cinco euros. Vergonhosamente não li nenhum livro que comprei este ano nem em anos anteriores. Assim, este valor de poupança inclui os livros que ganhei através de passatempos, da biblioteca, de empréstimos e das gentis ofertas das editoras (um total de 26 livros).
O valor da despesa inclui os valores dos CTT e dos livros comprados, acho que é um valor equilibrado. 
Este ano quero continuar a fazer esta contagem para ter uma maior consciência dos meus gastos. 

Palavras Memoráveis


Só as maças realmente podres é que vão para baixo. O resto consegue outra oportunidade, embora não possa dizer-te o que acontece lá em cima.
S. D. Robert, Tempo de dizer adeus

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Opinião | "O Escultor da Morte" de Chris Carter (Robert Hunter #4)

O Escultor da Morte (Robert Hunter, #4)
Classificação: 5 Estrelas

Esta foi a minha última leitura de 2017 e posso dizer que terminei o meu ano literário da melhor forma possível. Sempre gostei de livros deste género e, ao longo dos anos, sempre fui apostando neles. De toda a minha "bagagem" literária no que respeita a livros deste género afirmo que este é um dos melhores livro que já li. 

O escultor da morte traz-nos um assassino muito peculiar, com uma mente complexa e que dificultou a minha tarefa em descobrir quem é que ele era e quais as suas motivações. Houve coisas que até
Tudo o que é construído e descrito em torno dos crimes está muito bem escrito e tudo encaixa com uma perfeição soberba. Senti-me, muitas vezes, arrastada para todos aqueles cenários macabros e uma atração enorme pela inteligência de Robert Hunter. 

Na minha opinião, em termos policiais está muito bem conseguido. Há descrição de todos os procedimentos de recolha de dados e de autópsia, assim como da análise das pistas e da evolução da investigação. Tudo é-nos apresentado de forma metódica e organizada, transformando-se numa metáfora perfeita daquilo que deverá acontecer numa investigação real. 

Há um bom equilíbrio entre a parte profissional e pessoal das personagens, havendo espaço para conhecer outros lados das suas vidas. Acho este aspeto muito importante porque me permitiu criar laços e ligações as personagens, deixando o rasto da curiosidade relativamente às obras anteriores e àquilo que o autor ainda nos quer apresentar. 

É uma leitura muito, muito boa. Logo nas primeiras páginas eu fiquei presa aos acontecimentos e dava por mim a fazer expressões de espanto à medida que ia avançando na leitura. Só não foi uma leitura compulsiva devido à falta de tempo, porque a vontade que eu tinha era de ler sem parar para descobrir tudo o que havia para descobrir. 

Considero que para os leitores que gostam deste género literário irão vibrar a cada página virada. Para os que não gostam, este poderá ser um livro que os conquiste (a não ser que sejam sensíveis a cenas com descrições mais sangrentas e violentas). 

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião sincera.
Resultado de imagem para topseller

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Balanço | Leituras de 2017

Resultado de imagem para books
O ano terminou e chegou a altura de fazer uma retrospetiva pelas leituras de 2017 e eleger as melhores e as piores leituras do ano.

No início do ano passado desafiei-me a ler 50 livros, mas consegui chegar aos 57 livros lidos. Este número tem algumas particularidades, nomeadamente a leitura de dois livros de poesia e alguns livros infantis. Acabei por ler mais um livro do que em 2016. 

Quanto ao número de páginas, em 2017 li 17 185 páginas, mais 3 175. Apesar de só ter lido mais um livro relativamente ao ano anterior, a diferença do número de páginas até é elevado. Isto está relacionado com o facto de ter lido um número considerável de livros com mais de 450 páginas. Muitos deles chegavam quase às 500 páginas. 
O livro mais longo que li tinha 586 páginas.

A média de pontuações desceu. Se em 2016 ficou nos 3.4, em 2017 ficou pelos 3.2. Tenho consciência que estou mais exigente em relação àquilo que leio e que tenho crescido enquanto leitora. Não considero que esta pontuação queira dizer que li maus livros. Até acho que li bons livros, apenas me sinto mais exigente.

Dos 57 livros lidos, 16 são de autores nacionais (mais 2 livros do que em 2016) e 47 foram escritos por mulheres (tenho mesmo de ler mais livros escritos por homens).

Os 10 melhores de 2017

  • Mil sóis resplandecentes (Khaled Hosseini)
  • A promessa (Lesley Pearse)
  • 9 de Novembro  (Colleen Hoover)
  • Inês (Maria João Fialho Gouveia)
  • Apenas um desejo (Barbara O'Connor)
  • Doces silêncios (Deborah Smith)
  • O escultor da morte (Chris Carter)
  • O intestino também sente (Leonor Martín)
  • Regresso a Mandalay (Rosanna Ley)
  • Sinto a tua falta (Kate Eberlen
Mil Sóis ResplandecentesA Promessa (Belle #2)9 de NovembroInêsApenas um DesejoDoces SilênciosO Escultor da Morte (Robert Hunter, #4)O Intestino Também SenteRegresso a MandalaySinto a Tua Falta

Os 10  piores de 2017
  • Mar de papoilas (Amitav Ghosh)
  • A linha ténue do passado (Mónica Cortesão Gonçalves)
  • Mors tua, vita mea: a tua morte, a minha vida (Vanessa Santos)
  • Peónia Vermelha (André Gonçalves)
  • Maria vai-te deitar! e outros contos (Lubélia Sousa)
  • Para sempre não é muito tempo (Carolina Pascoal)
  • Morte súbita (J. K. Rowling)
  • A síndrome de Peter Pan (Eliana G. Pyhn)
  • A fronteira do perpétuo (Teresa Poças)
  • Desaparecidas (Caroline Eriksson)
Mar de PapoilasA Linha Ténue do PassadoMors Tua, Vita Mea: A tua morte, a minha vidaPeónia VermelhaMaria vai-te deitar! e outros contosPara Sempre não é muito tempoMorte SúbitaA Síndrome de Peter PanA fronteira do perpétuoDesaparecidos