domingo, 16 de julho de 2017

Opinião | "Se isto é um homem" de Primo Levi

Se Isto é um Homem
Classificação: 4 Estrelas

Há muito tempo que a leitura do livro Se isto é um homem era algo que eu queria fazer. Queria muito lê-lo pela temática que aborda (a vida num campo de concentração) e pelo facto de ser um livro onde o autor conta a sua própria experiência.

É um livro duro. Um relato de nos fazer arrepiar, de me deixar sem palavras (que palavras poderão ser usadas para descrever tamanha crueldade?). 
A experiência de leitura é indescritível. À medida que avançamos nas páginas, a dureza das situações começa a entranhar-se na nossa mente e começamos a sentir um pouco do sofrimento daqueles para quem o sofrimento se tornou a "ração" diária, um dado adquirido. 

Sempre que leio livros que abordam a temática do Holocausto, questiono-me acerca do que é que passaria pela cabeça dos muito militares que coordenavam os campos, que recolhiam as pessoas, que espalhavam terror só por existirem. Haveria alguém com um mínimo de humanismo? Terá havido militares piedoso? O que é que lhes passava pela cabeça? 
Sei que deve ter sido grande a lavagem cerebral das SS nazistas, mas como é que possível deixarem morrer sentimentos de compaixão, de empatia nos seus corações?

Não consigo sentir a totalidade do sofrimento de Primo Levi. Consigo imaginá-la, consigo ficar revoltava e fico ainda mais por saber que foi algo que marcou toda a sua vida. 
Estas pessoas que vivenciaram a dureza e a crueldade de um campo de concentração não trazem apenas a tatuagem com o número de identificação do campo. Trazem tatuadas em cada célula do seu corpo os sentimentos mais negros que um ser humano poderá ser convidado a viver.

Este livro deveria ser de leitura obrigatória para que nunca seja esquecido aquilo que o ser humano foi capaz de fazer a outro ser humano.
O Holocausto existiu. Milhares de pessoas morreram e sofreram horrores às mãos de quem se achava capaz de controlar o mundo. As pessoas que viveram durante estes anos irão desaparecer. Cabe-nos não deixar que o assunto morra e que o mundo se esqueça do horror que foram aqueles anos. É preciso lembrar para evitar que tudo aconteça novamente.

4 comentários:

  1. Quero muito ler este liro! Já li outras memórias do Holocausto, e concordo que deviam ser obrigatórias.

    http://barbarareviewsbooks.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bárbara!

      Espero que gostes :). Depois irei ver a tua opinião.
      Boa semana.

      Eliminar
  2. Olá Silvana,
    Este era um dos livros, sobre o holocausto, que mais curiosidade tinha para ler mas, confesso, que quando o li, esperava que fosse um livro que me emocionasse e destruísse por dentro. É um bom livro, sim, e duro mas senti que era um relato quase que desprovido de emoção. Algo que eu não esperava encontrar, num livro narrado na primeira pessoa.
    Mas é um livro que deveria ser lido por todos!
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tita,
      Percebo o que dizes, e senti o mesmo. Esperava emocionar-me mais, ficar mais destroçada. Porém, também conseguir perceber esta falta de emoção por parte de alguém que viveu em primeira mão tamanho sofrimento. Esta negação emocional poderá relacionada com todo o trauma que este homem viveu. Ao adormecer a emoção, deixa a sua mente mais livre para poder relatar as coisas de forma mais sistematizada.
      Nós leitores vamos em busca de coisas muito particulares nos livros. Não vale a pena dizer que não temos expetativas. Elas estão lá sempre, porque quando iniciamos um leitura esperamos, pelo menos, que seja um leitura que nos toque. Mas depois, muitas vezes, não conseguimos ir mais além, refletir sobre quem escreveu determinado livro. Foi nisso que eu procurei me concentrar, na pessoa que escreveu o livro e no que ele próprio estaria a sentir e como é que ele assimilou tudo aquilo que viveu. Nós podemos ter sentido que aquilo tinha pouca emoção, eu acho que a emoção estava apenas adormecida. Pelo que sei, Levi acabou por se suicidar anos mais tarde. Daí achar que ainda muito disto o fazia sofrer de uma forma que ele não conseguia transpor para nós.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!