terça-feira, 6 de outubro de 2015

Opinião | O Rapaz do Pijama às Riscas


O Rapaz do Pijama às Riscas

Autor: John Boyne
Ano: 2008
Número de páginas: 176 páginas
Classificação: 5 Estrelas
Sinopse: Aqui

Opinião
O período da História referente ao pré, pós e durante a Segunda Guerra Mundial desperta em mim uma grande sede de conhecimento acerca de tudo o que envolveu essa época. Tenho consciência de que por muitos livros que leia, por muitos filmes que veja, por muitas fontes que consulte, nunca irei conseguir assimilar na totalidade tudo aquilo que as pessoas da época viveram ou sentiram. Considero que tido foi demasiado complexo e doloroso e que agora nós, a distância de um bom par de anos, não conseguimos entrar nessa realidade.

O Rapaz do Pijama às Riscas é mais um dos livros que nos dá a conhecer um bocadinho da realidade do período da 2ª Guerra Mundial, desta vez através dos olhos de uma criança.
Bruno é um menino que desconhece aquilo que de facto se está a passar na Europa. A sua pureza infantil faz com que seja uma criança sensível e incapaz de compreender a maldade dos adultos. As atitudes dele para com os empregados, para com o menino do "pijama às riscas", que se tornou um amigo especial, fizeram-me querer conhecer esta criança. Ela pareceu real porque apesar desta sensibilidade e respeito pelo outros ele também tem os seus momentos mais cinzentos. No fundo, o facto de ele não ter uma "alma" totalmente cor-de-rosa e de em certos momentos nos mostrar alguns sentimentos mais egoístas fazem com que aos olhos do leitor pareça uma criança real como tantas outras.

Apesar do final ser marcado pela crueldade e infelicidade é algo que torna o livro mais real. Penso que se tivesse terminado de outra forma não teria tanto impacto. 

O livro está escrito numa linguagem simples e compreensiva o que o torna acessível a qualquer público. Desta forma, acho que a sua inclusão no PNL é mais do que adequada e justificada.

Este foi um dos casos em que vi o filme antes de ler o livro. Na altura adorei e fiquei muito emocionada. Por isso considero que o filme foi mais eficaz a produzir emoções em mim do o livro. Apesar de me ter emocionado também com o livro, o filme foi mais intenso. 

4 comentários:

  1. Já vi o filme, mas não li o livro, e lembro-me de na altura também ter achado o filme bastante intenso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o filme foi muito intenso.
      O livro talvez por usar uma linguagem mais simples não consiga ser tão emocionante. Não te sei explicar os motivos, mas o facto é que apesar de ter gostado muito do livro, não fiquei com aquele nó na garganta de emoção.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Olá Silvana.
    Gostei muito do teu post.
    Há uns tempos fiz um video sobre este livro e gostei bastante de encontrar aqui a tua opinião.
    5 estrelas sem dúvida!
    Beijinhos
    Roberta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Roberta! :)

      Obrigada pelo comentário!
      Eu acho que cheguei a ver o video. É um facto, eu vejo vários vídeos, mas depois acabo por não comentar nenhum :(.
      Sim, é um livro fantástico. Através dos olhos de uma criança, chegamos a uma realidade que "apaixona" a atualidade. Acho que é pela crueldade e a incompreensão dessa crueldade que tantas pessoas se interessam pela temática da 2ª Guerra Mundial.
      Beijinhos e boas leituras

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!