quarta-feira, 1 de julho de 2015

Opiniões | Contos Hans C. Andersen

Estes contos já foram lidos no final do ano de 2014, porém tinha aqui o post guardado e nunca mais me lembrei de publicar. Mas acho que hoje ainda vem a tempo.


A Menina dos Fósforos
Este foi o meu primeiro contacto com as histórias de Hans. C. Andersen, e do qual gostei muito. 
É um conto muito pequeno (5 páginas no livro que eu e com ilustrações), passado nos últimos dias do ano e que apela a uma mensagem muito especial. De uma maneira algo diferente, penso que nos dias de hoje ainda existem muitas "meninas e meninos dos fósforos", que olham para o lado e assistem a um Natal mas aconchegante em casas que não as deles. Não me referi a aspectos materiais (apesar de estes também faltarem), e sim ao calor humano que é muitas vezes esquecido. Calor humano era o que mais procurava esta menina e que acabou por encontrar um pouco na magia que o calor de um fósforo lhe ofereceu.
Penso que é um bom conto para ler nesta altura do ano e para pensarmos naquilo que realmente importa para nós e na nossa relação com os outros.
(4 Estrelas)

O Abeto
Este foi o segundo conto que eu e a Marta lemos para o desafio. Ficou para 2º lugar, porque como a sua temática é relacionada com o Natal guardamos a leitura para que coincidisse com a véspera e o dia de Natal.

Adorei este conto!! É simples, mas na sua simplicidade consegue abraçar temas muito importantes. O abeto sempre desejou ver mais além da floresta onde vivia, sempre quis conhecer outras realidades sem antever as suas consequências. É na noite de Natal que ele vive dos momentos mais felizes da sua vida e irá recorda-lo sempre com muito carinho.

Uma das coisas mais bonitas e que eu mais gostei neste conto foi o modo como o abeto sempre olhou para a sua vida. Mesmo no momento mais difícil não deixou de pensar nas coisas boas que sempre preencheram a sua curta vida. Acho que a forma do abeto olhar para a sua vida é uma boa lição para nós seres humanos.
(4 Estrelas)

A Rainha das Neves 
Até ao momento este é o conto de Hans C. Andersen que menos gostei. Achei-o algo confuso. Esta cofusão surge nos aspectos que envolvem o desaparecimento de Key e todo o mistério que o autor constrói em torno dele.

Gostei das aventuras de Gerda. Como é um conto não dá para que as coisas sejam muito desenvolvidas, por isso dá a sensação de que tudo acontece muito depressa.

Acima de tudo, o que destaco no conto é a amizade entre Gerda e Key. Foi pela amizade que Gerda vai contra todos os obstáculos. Foi a amizade que sentia por Key que  a impediu de desistir nos momentos mais difíceis. Acho esta mensagem muito bonita e importante. Nem sempre da-mos o verdadeiro valor à amizade e aos amigos. Nem sempre precisamos de fazer como a Gerda e enfrentar obstáculos muito difíceis, por vezes são precisos apenas gestos,
(2 Estrelas)


A Pequena Sereia 
Eu sei que é uma vergonha, mas eu nunca vi o filme A pequena Sereia, por isso parti para esta leitura sem qualquer tipo de expectativa ou ideia pré-concebida.
Adorei o conto!!! Até ao momento é o meu preferido do autor.
A pequena Sereia tem um espírito e uma personalidade muito fortes. Nela vive uma ânsia de crescer e conhecer o mundo e quando conhece apaixona-se por um humano. E os humanos não têm uma boa imagem das caudas. Mas a Sereia acredita que pode conquistar este Príncipe. É nesta luta que vemos o quanto ela é corajosa, determinada e capaz de lutar pelos seus sonhos.
O final é surpreendente, sensível e muito simbólico. Nem toda a gente tinha a grandeza de coração da Pequena Sereia para lidar com a situação daquela forma. É uma mensagem muito importante par aquelas pessoas que não olham a meios para atingirem os fins.
(4 Estrelas)

A Princesa e a Ervilha

Este conto é tão pequeno que nem dá para sentirmos bem a história. Temos um Príncipe esquisito que demora a escolher a sua princesa e, do nada, surge alguém pouco comum, que alegava ser princesa. Então toca a arranjar um método para tentar saber se era ou não um princesa.
Acho que a mensagem que o autor queria passar com o conto é que o  aspecto exterior das pessoas não é o mais importante. É preciso conhecer o interior da pessoa, conhecer a sua sensibilidade.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!