sexta-feira, 31 de julho de 2015

Opinião | A Sombra do Vento (O cemitério dos livros esquecidos #1)


A Sombra do Vento (O Cemitério dos Livros Esquecidos #1)



Autor: Carlos Ruiz Zafón
Ano: 2004
Número de páginas: 507 páginas
Classificação: 5 Estrelas
Sinopse: Aqui


Opinião
Há livros para os quais me é difícil arranjar as palavras certas para os descrever. É difícil porque os sentimentos que me provocam não são facilmente demonstrados por palavras. A Sombra do Vento é um desses livros. Aquilo que senti ao lê-lo tornou-se de tal forma avassaladora que tenho dificuldade em encontrar as palavras que sejam capazes de fazer justiça à grandiosidade da história que foi criada.

O encantamento com este livro não foi imediato. Tivemos um início de relação complicado. Para mim, foi difícil afeiçoar-me às personagens, foi complicado entrar na história e senti-la, tive dificuldade em compreender o mundo criado pelo escritor ao ponto de comprometer o meu sentimento de envolvência com o mistério que ia nascendo no início do livro. Hoje, olhando para trás na leitura, sinto-me muito triste por não ter conseguido captar na totalidade aquilo que se passou nas primeiras páginas. O facto de andar com pouco tempo e pouca disposição para as leituras fez com que prolongasse a leitura do livro. Porém, este livro carece de uma leitura inicial mais ritmada, constante e prolongada para perceber toda a dinâmica que envolvia os acontecimentos. (Andava tão cansada na altura da leitura que lia duas páginas e os olhos já queriam fechar).

Antes de me debruçar sobre a beleza das histórias que compões estas páginas, quero destacar a beleza da conjugação de palavras que o autor no oferece. Carlos Ruiz Zafón é um verdadeiro maestro na construção de frases. Ele articula as palavras num tom melodioso que me fazia reler passagens apenas pela conjugação de palavras usadas para fazer descrições e construir diálogos. Adorei a escrita do escritor, ao mesmo tempo fez-me sentir incompetente no uso das palavras e da linguagem.

No que toca ao enredo que faz parte deste livro, temos uma conjugação de momentos passados e presentes. Duas histórias distintas que se tocam no presente.
No presente temos o jovem Daniel que é enfeitiçado pelas obras do autor Julián Carax que descobriu no cemitério dos livros esquecidos, Foi com base nestas leituras que Daniel partiu à descoberta das raízes do escritor. Esta ânsia leva-nos ao passado e à história de Julián.
Em ambas as histórias houve aspetos que me tocaram. Na de Daniel, o que me tocou foi o assistir ao seu crescimento e ao ser poder de auto-análise. Ele conhecia-se muito bem e sentia-se triste perante algumas das suas particularidades, principalmente a sua falta de coragem. Daniel é sensível, um "amante" dos livros e das palavras e que muito facilmente se deixava envolver pelas pessoas. Felizmente teve a sorte de se cruzar com pessoas que o compreendiam e aqui destaco a brilhante personagem de Fermín. Eu sou muito sensível às amizades e seu que, aqui, entre eles, formou-se um amizade com amarras tão fortes que nada as conseguia quebrar.
A única coisa que me deixou mais insatisfeita foi o não ter visto maus interação entre Bea e Daniel. A relação deles tornou-se tão bonita que eu queria ver mais.
Também fiquei triste com a atitude de Tomás, irmão de Bea e amigo de infância de Daniel. Não consegui compreender na totalidade os sentimentos negativos que alimentou por Daniel e que não lhe permitiram restabelecer a amizade no futuro que o livro nos apresenta por breves momentos.
E depois temos a história de Julián Carax, e que história!!! Ao longo da leitura, o mistério foi-me alimentando a curiosidade e era ela que me fazia continuar com a leitura. Julián é o amigo do drama e da tragédia e vive de um amor interrompido. É esse o amor que o alimenta e que o motiva para a escrita. Não vou esquecer a amizade entre ele e Miquel. Quando no livro chego à parte em que Miquel mostra até onde pode levar a sua amizade, parei! Parei para assimilar a sua atitude e a sua grandiosidade. Como diz Fermín no final do livro são pessoas como esta [de bom coração] que fazem deste mundo cão um sítio que vale a pena viver.

Haveria tantas mais coisas para dizer acerca do livro, mas tudo parece insignificante.  Foram muitas as personagens com forte carácter e com relevância que desfilaram ao longo destas páginas. Fumero, Núria, o pai de Daniel, a família Aldaya, o pai de Núria, Palácios... Tantas e tão importantes que tornam o livro uma viagem inesquecível ao mundo das palavras.

Um livro brilhante e que um dia conto reler com mais dedicação e atenção. 

4 comentários:

  1. É um dos meus favoritos, mas não o tenho na estante, por isso raramente o refiro ou me recordo tão bem dele como os outros. Fico contente por teres gostado tanto. :)
    A escrita de Zafón é algo de especial, diferente de todas as outras que já encontrei. Do autor só li mais o "Marina", que tem uma história tão fascinante como a de Julián Carax, mas não é tão bom quanto este, até porque foi escrito dois anos antes. Ainda assim, aqui fica a recomendação! :D
    Beijinhos e Boas Leituras!

    *Mistery

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei mesmo do livro :). Apesar de um início complicado, ainda fui a tempo de me apaixonar pela história.
      Eu também não o tenho na estante. Veio da biblioteca, assim como vêm a maioria das minhas leituras. Já vi que tem lá o segundo livro, por isso será o próximo a trazer :).
      Mesmo, ele tem uma escrita poética, sem enjoar... É inexplicável. Há aqueles livros cheios de "purple prose" que te enjoam e te fazem revirar os olhos. Este tem uma escrita muito bonita.
      Já tenho o "Marina" adicionado à minha lista de livro a ler. Acho que esse já não há na biblioteca. Obrigada pela recomendação.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar
  2. Olá Silvana,

    Já li este livro há algum tempo e gostei imenso! Mas ainda não tive oportunidade de ler os restantes. Provavelmente vou ter de reler este antes de continuar :)

    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isaura,

      É um óptimo livro, por isso penso que não será aborrecimento nenhum voltar a ler. Conto ainda ler a continuação ainda este ano. :)
      Beijinhos
      Silvana

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!