domingo, 8 de março de 2015

Por entre mundos diversos... (4) | 8 de Março: Dia Internacional da Mulher



She
May be the face I can't forget
A trace of pleasure or regret
May be my treasure or the price I have to pay
She may be the song that summer sings
May be the chill that autumn brings
May be a hundred different things
Within the measure of a day


She, Elvis Costello

Sim, o blogue está mais parado do que metro em dia de greve. Os posts que têm saído são (na sua grande maioria) agendados. E fora opiniões de livros e coisas que tais, já há muito que não vos chateava com as minhas miseráveis palavras. 

Não tenho tido tempo (uma péssima desculpa e a que mais se escuta por aí)! Sim, esse sujeito ingrato, que passa à velocidade da luz e nos suga as forças. Mas a questão do tempo, aliada ao meu inconstante estado emocional têm produzido graves consequências na minha motivação e inspiração para a escrita. E sim, esta semana ponderei a possibilidade de dar uma "férias" aqui ao blogue e à blogoesfera. Mas achei que isso não iria acrescentar nada às minhas emoções, só iria retirar. Por esta razão. Os posts agendados vão continuar, as opiniões irão continuar também. Vou tentar não falhar nos projectos conjuntos e sempre que seja possível darei liberdade às minhas próprias palavras. 

Depois desta explicação inicial, eis que me vou debruçar no tema que faz renascer esta rubrica (ela já não surgia desde Agosto de 2014). E escolhi a comemoração do dia Internacional da Mulher. Eu não sou muito de ligar a estas datas (Dia da Mulher, Dia do Pai, Dia da Mãe, Dia dos Namorados, etc.). Acho que estão muito ligadas ao consumismo e se esquece a verdadeira essência do que elas representam. 
É pena quando ainda temos que assinalar um Dia Internacional da Mulher, porque a mensagem que sobressai é que, nesta sociedade, nós ainda somos tratadas de forma diferente. Tão diferentes, que até precisamos de um dia para lembrar que as mulheres existem, que têm direitos e deveres e que precisam de ser respeitas.

Não sei se algum/a dos/as meus/minhas leitores/as já sentiram algum tipo de constrangimento para com as mulheres? Felizmente eu não! Não por ser mulher, felizmente.
Sempre fui uma defensora das mulheres e dos seus direitos, porém a coisa que mais me revolta é ver mulheres a não se respeitarem acima de todas as coisas. Logo, se as mulheres não são as primeiras a se respeitarem, como é que podem sentir respeito por parte dos outros?
Sei que há situações muito difíceis de serem geridas! Sei que há momentos eu não conseguimos ter o pensamento suficientemente "limpo" e "claro" para enfrentar um rol de situações duras e difíceis. Porém, existem momentos de pura iluminação, agora, porque é que não os aproveitamos? Muitas perguntas, muitas dúvidas... Poucas respostas e poucas certezas. 
O Ser Humano é complexo, cheio de cantos e recantos, uns mais obscuros que outros... Somos as verdadeiras Bonecas Russas em que várias essências de nós próprios de encaixam de forma a dar corpo a um ser. Um ser que merece ser respeitado e valorizado!

A minha mensagem para todas as mulheres (e homens) que leiam este post é que ofereçam a si próprias respeito e peçam respeito aos outros. Flores, chocolates, prendas e outros artefactos, ao fim de algum tempo murcham, acabam, desvanecem-se. Contudo, o respeito, a compreensão, a amabilidade, o carinho e o amor serão eternos enquanto as pessoas os estiverem dispostos a dar.

Fica aqui, uma das minhas músicas preferidas e à qual pertence o excerto que dá início a este post!
Um Dia Muito Feliz para as Mulheres e para todos os Seres Humanos que as respeitam.






Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!