terça-feira, 23 de setembro de 2014

[Opinião] Sob o olhar do amor



Autor: Janine Boissard
Ano: 2003
Editora: Quidnovi II
Número de páginas: 240 páginas
Classificação: 2 Estrelas

Sinopse
Se ela fosse bonita… Se ele não fosse cego…
Mas Laura não é bonita e Claudio é cego. Ele é uma celebridade, ela é a sua guia. E, sem qualquer esperança, Laura vai apaixonar-se pelo grande tenor admirado no mundo inteiro. Porque a voz dele, entre desespero e cinismo, canta-lhe a beleza de um mundo que ele já não consegue ver, porque só ela consegue adivinhá-lo, porque ela o ama com o único verdadeiro amor: aquele que não espera nada em troca.
Uma noite, sem pensar, ele promete-lhe a lua, mas ela é que quer oferecer-lha: convencê-lo a submeter-se a uma operação que sempre recusou fazer e que tem cinquenta por cento de hipóteses de lhe devolver a visão e um grande sonho - interpretar no palco o papel de Alfredo, na ópera La Traviata. 
Com a plena certeza de que no dia em que puder olhá-la Cláudio deixará de precisar dela, Laura está pronta para sacrificar o seu amor, por amor. Mas irá Cláudio aceitar essa decisão? Uma grande e bela história de amor escrita por Janine Boissard, uma das romancistas francesas mais apreciadas pelo grande público.

Opinião
Este livro, de acordo com a sinopse, era daqueles livros que eu tinha a certeza de que iria ser do meu agrado. Mas tal não aconteceu. Foi uma leitura rápida e estranha. Rápida porque apesar das cerca de duzentas e poucas páginas, a letra e o espaçamento entre as frases são grandes e também porque o conteúdo narrativo carece de desenvolvimento e complexidade fazendo com que os acontecimentos surgisse muito rapidamente. Foi uma leitura estranha porque senti que estava a ler um guião de um filme, ou seja, as coisas sucediam-se umas às outras sem um bom enquadramento. Por vezes, parecia que estava a ler cenas isoladas.

Sob o olhar do amor é o livro que traz a história de amor de Claudio e Laura. Claudio é um cantor lírico que é cego e Laura é uma agente de cantores. Depois de um atrito com a sua anterior agente, Claudio recebe Laura e esta apaixona-se instantaneamente por Claudio. Logo desde aqui é estranho tendo em conta os tipos de personalidade de Laura e Claudio que a autora queria passar. A ausência de descrições e de acontecimentos faz com que a autora não seja bem sucedida no que toca à construção da personalidade de cada uma. A própria forma como Laura se apaixona pelo Claudio não faz muito sentido.
A autora quer passar uma imagem de Claudio numa fase de revolta perante o luto da sua cegueira, mas falta tanta coisa para que esta situação se torne real aos olhos dos leitores.
Laura também merecia uma melhor construção e merecia que a autora lhe desse mais garra e determinação.

O livro está cheio de clichés, mas não é a sua presença que me irrita e sim a forma como a autora os aborda. Verifiquei algumas incongruências e situações que ficam pendentes. Uma das incongruências acontece de uma página para a outra. Numa das páginas, mais no final do livro e após Claudio ter feito a operação e regressado a Paris, ele refere-se a Hélène dizendo que ela o estaria ali para receber caso não estivesse em Bruxelas. Na página seguinte, ela já lá estava para o receber.
Também no final, por duas vezes surge que o médico oftalmologista quer falar com Laura, e nota-se uma certa urgência. Contudo, tal nunca chegou a ser concluído pela autora.

Esta história, sendo algo previsível necessitava de um maior cuidado no final. Tal como quase tudo no livro foi abrupto e pouco profundo.

O que não me fez dar uma estrela foi o facto de ter gostado da escrita da autora. Apesar das falhas em termos de construção da narrativa e das personagens, a escrita é simples, bonita e cativante. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!