segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Monday Madness #3



1. Qual é o teu tipo de tempo preferido?
Sol e frio. Eu dou das poucas pessoas que conheço que tem uma certa aversão ao Verão. Pessoalmente, não suporto o calor e lido bem com o frio. Adoro aqueles dias de Inverno gélidos, mas iluminados por um sol radioso. 
Também gosto dos dias chuvosos se não tiver de sair de casa. Gosto da chuva para ficar no sofá, ou no quarto, a ler e e ouvir a chuva ou senti-la bater na janela... Um cenário perfeito para dedicar à leitura. 

2. O que farias se ficasses fechada no teu shopping favorito uma noite?
Seria pouco improvável porque:
1º Não há shoppings na cidade mais próxima onde habito;
2º Eu não sou muito adepta de passar horas a ver lojas, excepto se forem locais de venda de livro (aí perco a noção das horas).

Mas... Caso acontecesse....
Iria direitinha a uma loja Bertrand ou Fnac, escolheria assim uns livros com poucas páginas, encostava-me num sofá e lia até adormecer. Na manhã seguinte, assim que abrissem o shopping exigiria um pequeno almoço com tudo o que eu desejasse, e exigiria que me deixassem escolher alguns livros para colmatar os graves danos psicológicos que aquela noite provocou.


3. Uma personagem está a morrer, sozinha e longe de casa, de uma maneira que nunca tinha imaginado que iria morrer. Quais são os seus últimos pensamentos? Em quê, ou em quem, está ela a pensar, e do que se arrepende? Escreve uma cena com esta morte na primeira pessoa.
Partindo do pressuposto que é de uma personagem já existente, vou escolher a tão famosa "capuchinho vermelho".
Infelizmente, a Capuchinho Vermelho moderna seguiu as indicações do lobo e perdeu-se. Depois de andar muito, acabou caída num lugar obscuro do bosque. 

Acabou de anoitecer! Agora sei que não deveria ter confiado naquele lobo. Realmente... Tinha uma cara horrível! Como é que eu fui tão estúpida ao ponto de me deixar eludir pelas falsas palavras doces que ele proferia... Que tonta que eu fui. Perdi tempo a apanhar flores e depois fiquei completamente confusa com o caminho que devia sair.
Está tão escuro e não consigo deixar de chorar. Como estará a minha avó? Preocupada, de certeza. Estava à minha espera e à espera deste lanche. Queria tanto sair daqui!!! Mas até o estúpido do telemóvel não funciona porque aqui não tem cobertura de rede. Assim não consigo pedir ajuda, nem a polícia me consegue localizar. 
Ninguém me vai encontrar, e eu vou acabar aqui por morrer de frio, de fome e de sede. Sempre ouvi a minha mãe dizer para ter pensamento positivo. Mas neste momento, o meu pensamento está mais escuro do que o céu que me serve de tecto. 

4. Enquanto criança, eras dada a terrores nocturnos, falar durante o sono e sonambulismo. Agora, em adulta, há muito que perdeste esses hábitos. Isto é, até uma noite. Acordas e encontras-te num lugar desconhecido, ao telefone com um oficial do Pentágono.

Eu não sei mesmo o que são terrores nocturnos. De vez enquanto lá tenho um pesadelo, normalmente quando ando mais ansiosa. Porém de um modo geral durmo como uma pedra, é difícil acordarem-me enquanto estou no mais profundo do meu sono. 

Um barulho ensurdecedor ecoa nos meus ouvidos... Acordo e afinal era apenas o barulho do telefone a tocar. Gotas de suor enfeitam a minha testa e o meu coração bate a um ritmo acelerado... E não sei onde estou!! Instintivamente, atendo o telefone mal ele volta a tocar.
- Operação Texugo! Daqui Bolota Amarela! 
Preciso de me lembrar urgentemente da senha, mas parece que o meu cérebro está bloqueado, sem vida... Começo a ficar assustada! Mas quando menos espero:
- Liiiinha Veeer-de! - a gaguejar, mas desde quando é que eu gaguejo??? - Daaa-qui Floo-rees-ta Nee-gra. 
- É pá, ó Gina, desde quando gaguejas? Ah! E desde quando é que estás de serviço na base da brigada 33? Que eu saiba tu fazes parte da brigada 21!!!
Era o Roberto que estava do outro lado da linha. Reconheci-o logo nos primeiros minutos, mas o meu estado de confusão não me permitia pensar com clareza. Respiro fundo várias vezes, e começo a ouvir:
- Gina, Gina, ainda estás aí? Então, rapariga o que é que se passou?
Depois de estar mais calma, respondi:
- Não sei, Rodrigo! Só sei que não era suposto estar aqui!! 
- Bem, pelo menos deixaste de gaguejar. Até onde eu sei, hoje é o teu dia de folga, devias estar no dormitório!!
Instantaneamente, olho para o meu corpo... O pijama de ursinhos não deixava dúvidas! Eu devia estar mesmo a dormir!!! 
- Ai, Rodrigo! Acho que vim aqui parar por conta do sonambulismo! 
- Ó Gina, desde quando és sonâmbula?
- Desde criança! Mas assim que cheguei à idade adulta e de ter entrado aqui para o exército as coisas pararam... Acho que o stress da missão Texugo me despertou os sentido e a ansiedade!
Uma gargalhada sonora despontou do outro lado do telefone! 
- Desculpa, Gina! Mas esta foi mesmo engraçada. Liguei para ver se a base 33 já estava ocupada pelo Serafim, uma vez que ele disse que entrava mais cedo. 
- Então o melhor é eu regressar o quanto antes ao dormitório. O Serafim é um trole sentimental e vai já mandar bocas!
Rodrigo ria do outro lado da linha. - Vai lá Gina! Por acaso gostava de ver os teus trajes de dormir... Sempre seria uma visão mais interessante do que a farda militar.
- Estúpido machista!!! - Gritei para o telefone e depois desliguei o telefone!!
- Mas que bela visão, Gina!! Mas que pijama tão cutchi-cutchi!! - Serafim apoiava os ombros à entrada da porta. - Vieste aqui para me ver?
Dirigi-lhe um olhar glacial e sai a correr da base! Amanhã, seria o alvo de gozo na ala masculina. Maldito sonambulismo!!!

5. Se pudesses viver noutro país que não o teu, qual seria?
Suécia, Finlândia, Dinamarca... Sou uma apaixonada pelos países nórdicos, por isso é difícil escolher apenas um, principalmente quando não conheço nenhum para decidir em consciência onde gostaria de ficar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!