sexta-feira, 27 de junho de 2014

[Opinião] Ana Karenina


Ana Karenina

Autor: Leão Tolstoi
Ano: 2013
Editora: Civilização Editora
Número de páginas: 720 páginas
Classificação: 3 Estrelas

Sinopse
Ana Karenina parece ter tudo – beleza, dinheiro, popularidade e um filho adorado. Mas sente um vazio na sua vida até ao momento em que conhece o arrebatador conde Wronsky. A relação que em breve se inicia entre ambos escandaliza a sociedade e a família, e traz no seu encalce ciúme e amargura.
Em contraste com esta história de amor e autodestruição, encontramos Constantino Levine, um homem em busca da felicidade e de um sentido para a sua vida.

Opinião
Esta foi uma leitura um pouco difícil. Demorei imenso tempo a ler o livro e reconheço que esta extensão de tempo prejudicou a minha ligação com o livro. Perante esta situação, está bem claro que daqui a uns anos quero voltar a pegar neste livro e lê-lo de uma forma mais contínua e tentar absorver cada momento da sua história.

Ana Karerina é um livro complexo, cheio de temas que não deixam o leitor indiferente. Traições, amores, reflexões, com graus diferentes de intensidade e que preenchem estas páginas exaustivamente. A forma como Tolstoi dá corpo a estes temas no livro faz com que hajam partes mais cativantes, que me despertaram a atenção; mas por outro lado surgem partes que me deixaram aborrecida com a leitura, levando-me a arrastar de forma penosa ao longo das páginas.
Tolstoi também não aprofunda devidamente algumas situações, que na minha opinião são importantes. Refere-as mas não as esgota, não as esmiúça. Isto irritou-me um pouco, principalmente no que reporta a situações centrais que envolviam Ana, o marido e Wronsky. Há uma situação logo no início do livro que acontece repentinamente que nós nem nos apercebemos de onde surge tudo aquilo.
Relativamente às reflexões de Levine, estas aparecem, na minha opinião, de forma excessiva e aborrecida. Apesar de ele se dedicar muito às suas reflexões não deixa de ser uma personagem interessante.

Ao longo de todo o livro, nunca cheguei a clarificar a minha opinião em relação a Ana. Não a odiei, mas também não consegui adorá-la. Ficou assim num misto de sentimentos entre o tolerar e a indiferença. É uma mulher que, apesar das suas imensas qualidades físicas e financeiras, apresenta fragilidades psicológicas (insegurança, insatisfação extrema). Uma mulher que pensa nela e no seu bem-estar que quase ignora os que estão à sua volta. Só notei preocupação genuína para com o filho Sérgio. Perante este quadro, acho que o final desta personagem se enquadrou perfeitamente com as características psicológicas que ela ia evidenciando. Infelizmente foi mal explorado. Merecia um maior destaque. 

Em relação às outras personagens quero apenas destacar a evolução de Kitty. Foi uma personagem que se modificou positivamente ao longo do livro de uma forma bastante positiva. Cresceu e encontrou o seu verdadeiro lugar no mundo.

Ainda não foi desta vez que solidifiquei o meu gosto pelos clássicos, mas quem sabe se daqui a uns tempo voltar a ler este livro não olho para ele com outros olhos.

E para terminar a minha opinião quero apenas AGRADECER IMENSO À CATARINA R. por me ter oferecido o livro. Fiquei muito sensibilizada com o gesto, e não estava nada à espera. Consegui surpreender-me e emocionei-me bastante. O engraçado e o bom da vida é que quando menos esperamos cruzamos-nos com pessoas fantásticas. Eu sinto-me uma sortuda neste aspecto. E à falta de melhores palavras para agradecer o gesto resta-me apenas uma única palavra: Obrigada!!!

7 comentários:

  1. Tenho um pouco de medo de ler esse livro. É um pouco grande e bem... é um clássico.
    Gostei de ler a tua opinião! :)
    *Mistery

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo o teu medo... Os clássicos são sempre um pouco assustadores e de leitura mais complicada, mas quando te sentires mais preparada para estas leituras acho que devias experimentar.
      Obrigada. Beijinhos

      Eliminar
  2. R: Olá, Silvana!
    O fim deixa-nos mesmo de coração partido. Acho que, de certa forma, ao longo do livro, a Morte "tenta" preparar-nos para um final não será o que queremos, mas o que tem de acontecer. Claro que um final tão drástico (que, para todos os efeitos, não é tão drástico assim por se passar naquela época) não deixa de nos magoar.
    O Rudy... gostava tanto daquele rapaz! Foi uma das personagens que mais me comoveu ao longo do livro. Fiquei tão angustiada com o que lhe aconteceu, mas é quase impossível não nos emocionar-mos com a reação de Liesel, ao ver que era tarde demais.
    Sim, já vi o filme, inclusive já escrevi uma opinião a publicar. Concordo contigo, está muito bom.
    Beijinhos!
    *Mistery

    ResponderEliminar
  3. Quero tanto ler este livro! Gostei bastante do filme! ^^
    Espero também gostar do livro!
    Beijinhos e boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não vi o filme, Carolina!! Mas estou curiosa.
      O livro é pesado... Tem partes que acho desnecessárias. Espero que gostes do livro!

      Beijinhos e boas leituras!

      Eliminar
    2. Pois, também já me avisaram disso... E é um pouco devido a isso que tenho adiado a sua leitura... :/
      Beijinhos! *-*

      Eliminar
    3. :/ Eu não tenho tido uma boa relação com os clássicos, mas espero que consiga mudar isso.
      Espero que quando te decidires a ler que gostes minimamente. Acho que deves partir para esta leitura quando tiveres disponibilidade mental para lidares com partes mais paradas.
      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!