quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Palavras Memoráveis

Os seus olhos tinham uma expressão vazia e ausente, pois ele, tal como eu, tentava compreender o fosso de devastação e isolamento que a morte deixara na sua esteira, a terrível sensação do salto do conhecido para o desconhecido e a espera aterradora até atingirmos o solo e nos desfazermos em pedacinhos minúsculos, insignificantes.
Marina Nemat, A prisioneira de Teerão

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!