sábado, 11 de maio de 2013

Paula [Opinião]


Paula

Autor: Isabel Allende
Ano: 1994
Editora: Difel
Número de páginas: 368 páginas
Classificação: 3 Estrelas
Desafio: Novos autores

Sinopse
Esta obra de Isabel Allende possui e prossegue duas qualidades essenciais à sua narrativa e ao seu estilo literário: a densidade e a intensidade. Sendo um representação do sofrimento e das memórias, Paula é um documento multi-biográfico, como de resto são em grande parte os seus outros romances, e neste se configura como uma viagem dupla em presença do estado comático da filha e da acumulação das experiências de outras dores, entremeadas de alegrias, da mãe. Paula é tanto um diálogo à cabeceira de uma doente clinicamente privada de consciência, como um solilóquio de grandeza e fragilidade, a tentativa de unir a ideia do amor como única ponte de salvação humana, à realidade do sofrimento tanta vez absurdo e indecoroso. Um livro que marca uma nova etapa, deslumbrante, na carreira de Isabel Allende. 

Opinião
Este foi o primeiro livro que li de Isabel Allende. É um livro tocante, reflexivo, emocional. Aqui encontramos uma mãe que utiliza as palavras para "imprimir" as angústias de um coração em sofrimento.
Isabel Allende, a mãe em sofrimento, Paula, a filha que gradualmente se afasta do mundo terreno. Uma doença, porfíria, empurra Paula para o mundo da inconsciência e deixa todos aqueles que amam num terrível sofrimento.

Com este livro Isabel dá voz ao seu sofrimento e oferece ao leitor um dos relatos mais comoventes que já alguma vez li. Poderá ser um livro difícil de "digerir" caso o leitor esteja ou tenha passado por uma situação semelhante, uma vez que a riqueza das palavras oferece um relato vívido das emoções de uma mãe que, de um momento para o outro, vê a sua filha perder a vitalidade, a força de viver, o gosto pela vida.

Emocionei-me! Não estava à espera de uma escrita tão profunda. De um relato muito sentido e que nos deixa sem palavras para o descrever. Ernesto, o marido de Paula, demonstra um sofrimento igualmente comovente... Tão comovente que chegamos ao ponto de querer saltar para aquelas páginas e, simplesmente, abraça-lo no silêncio do seu sofrimento! Gostaria de ver mais do Ernesto nestas páginas para perceber melhor o nascimento da sua ligação com a Paula.

O aspecto que menos gostei no livro foi a confusão dos acontecimento. Isabel Allende não seguia uma sequência cronológica na narração dos acontecimentos que foram pautando a sua intensa vida! Por vezes, sentia-me um pouco perdida nos meandros das guerras civis, dos amores (im)perfeitos que marcaram o coração da escritora.

Não é fácil lidar com a morte de um filho. Porém, confesso que concordo com a atitude final de Isabel: ajudar a filha a morrer. No fundo, permitiu-lhe todas as condições para que ela morresse em paz e tranquila. Não é uma decisão fácil e está muito longe de reunir consenso. Mas, questiono-me diversas vezes o para quê de prolongar uma vida com mil e um tratamentos quando sabemos que não irão resultar?
Pessoalmente, não gostaria de viver na inconsciência só porque as pessoas que gostam de mim querem que eu continue ali... Compreendo o lado delas, mas, ao mesmo tempo, não deixo de pensar que é existe uma certa pontinha de egoísmo nisto tudo.

Um livro que vale a pena ser lido pela profundidade emocional que transmite, pela introspecção que suscita no leitor...

Deixem-se invadir pelas palavras!
Boas leituras.
Silvana 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!