sexta-feira, 31 de maio de 2013

Equador [Opinião]


Equador

Autor: Miguel Sousa Tavares
Ano: 2003
Editora: Oficina do Livro
Número de páginas: 528 páginas
Classificação: 5 Estrelas
Desafio: Novos autores / Ler em Português de Portugal / De A a Z...

Sinopse
Quando, naquela manhã chuvosa de Dezembro de 1905, Luís Bernardo é chamado por El-Rei D. Carlos a Vila Viçosa, não imaginava o que o futuro lhe reservava. Não sabia que teria de trocar a sua vida despreocupada na sociedade cosmopolita de Lisboa por uma missão tão patriótica como arriscada na distante ilha de São Tomé. Não esperava que o cargo de governador e a defesa da dignidade dos trabalhadores nas roças o lançassem numa rede de conflitos de interesses com a metrópole. E não contava que a descoberta do amor lhe viesse mudar a vida.

Equador é um retrato brilhante da sociedade portuguesa nos últimos dias da Monarquia, que traça um paralelo entre os serões mundanos da capital e o ambiente duro e retrógrado das colónias.

É com esta história admirável, comovente e perturbadora, que Miguel Sousa Tavares inaugura a sua incursão no romance.

Opinião
Esta leitura foi o meu primeiro contacto com a escrita de Miguel Sousa Tavares e fiquei agradavelmente surpreendia com aquilo que encontrei nestas páginas. Desde já afirmo que não vi a série baseada nesta obra que foi produzida e emitida pela TVI (que pelo que me contaram está muito fiel ao livro), pelo que não tinha nenhuma ideia daquilo que poderia encontrar no livro, para além daquilo que a sinopse deixa antever.

Nestas páginas, a História de Portugal e as vivências portuguesas no início do século XX aparecem descritas de uma forma que nos possibilita imaginas todo o cenário daquela época. São páginas em que um pedaço da História de Portugal é oferecido aos leitores de uma forma bastante apelativa.
É nas primeiras páginas do livro que nos é apresentado o personagem central desta narrativa. Luís Bernardo Valença, um homem da cidade que cultiva os seus gostos pelos bailes, jantares... Um homem com opiniões bem definas acerca do clima político da época e que desde sempre se assumiu como anti-escravatura. É devido à sua posição em relação à escravatura que é convidado a assumir um cargo de governador numa das colónias portuguesas.

Aquilo que ele encontra não vai de encontro às suas convicções. É aqui que ele se vê envolvido em conflitos de interesses de ordem económica que tornam o seu percurso como governador penoso, difícil e solitário. É muito interessante ver que as descrições reflectem muito bem o antagonismo social entre a metrópole e a colónia de São Tomé e o quanto isso é desorganizador do equilíbrio mental que vai afectando Luís Bernardo. 

David e Ann são um casal com um relevo bastante importante em todo o livro. David é colocado na ilha de São Tomé com uma missão muito específica. Ann, sua esposa, é uma mulher exageradamente bonita que ofusca a sociedade envelhecida da colónia. Por acaso, é uma personagem que nunca conquistou a minha simpatia. Desde o momento em que é narrada a sua história provocou em mim sentimentos negativos. Nunca achei que ele fosse capaz de amar alguém... De todas as suas atitudes, sempre a associe a uma mulher calculista, fria, interesseira e com um gosto particular pelas experiências sexuais. Acho que era este último aspecto que a fazia ter comportamentos muito específicos. Com ela penso que nada era por acaso. Cada um dos seus passos era bem medido e calculado... Infelizmente era suficientemente bonita e sedutora para ofuscar a clareza de pensamento dos homens a quem lançava o seu charme... Assim, nunca conseguiam ver a verdadeira Ann (embora ache que com o marido já não funcionava).

Confesso que cada uma das personagens revela uma boa construção por parte do escritor. São personagens complexas e bem definidas, que facilmente permitem ao leitor criar as suas opiniões e afinidades.

O final é surpreendente e do qual não estava particularmente à espera... Imaginei mil e um cenários possíveis para cada uma das personagens centrais mas nunca me passou pela cabeça que tal terminasse daquela forma. Confesso que, o único final que não achei merecido foi o de Ann... Ela merecia um castigo! Penso que o marido conhecia muito bem a esposa, mas estava tão cego de amor que fechava os olhos aos comportamentos dela. Mas não devia!!!

É um livro que recomendo. Apesar de ser muito descritivo (existe poucos momentos de diálogo) essa descrição só me aborreceu mais no início. Facilmente consegui entrar no ritmo e o aborrecimento desapareceu.

Deixem-se invadir pelas palavras.
Boas leituras!
Silvana

4 comentários:

  1. Tenho este livro na lista para este ano e depois de ler a tua opinião fiquei ainda mais motivada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então espero que depois não te sintas defraudada :) Eu gostei muito... Mas também sei que, talvez, não seja uma leitura que agrade a toda a gente! O início é difícil porque é muito descritivo e pode levar ao abandono do livro. Porém, vale pena ser persistente!!

      Eliminar
  2. Nunca li nada do Miguel Sousa Tavares nem vi a série do Equador. Sempre achei que devia ser chato. Tenho que lhe dar uma hipótese:) Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que fazes bem Catarina!! Espero que gostes :) Não vás é com muitas expectativas e sê persistente! Fico à espera de uma opinião tua! Beijinhos

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!