quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Escândalos Privados - Opinião


Escândalos Privados

Autor: Nora Roberts
Ano: 2008
Editora: Edições Chá das Cinco
Número de páginas: 416
Classificação: 5 Estrelas
Desafio: Reading Romances

Sinopse
No mundo glamoroso dos talk-shows, as estrelas mais brilhantes escondem os segredos mais negros.

Desenrolando-se no glamoroso mundo da televisão, Escândalos Privados conta-nos a história de Deanna Reynolds, a apresentadora de um pequeno talk-show em ascensão. Bonita, sincera e muito profissional, Deanna decide então partir para Nova Iorque, determinada em tornar-se a melhor dentro do género. Mas isto fá-lo atravessar no caminho da sua antiga mentora, Angela Perkins, a actual rainha da televisão e uma mulher perigosa de desafiar. Angela não hesita em roubar convidados, fazer chantagem e até atravessar os limites do bom jornalismo para combater a crescente popularidade de Deanna. E o romance desta com o famoso e encantador repórter Finn Riley, por quem Angela sempre teve uma paixão, só aumenta a tensão. Mas a prova de que as coisas podem sempre piorar é o aparecimento de um fã obcecado, que deseja Deanna só para si, e que começa por matar todos aqueles que se aproximam dela. 

Opinião
À medida que vou lendo mais livros de Nora Roberts, mas simpatia ganho por esta escrito. De facto, começo a tornar-me fã assumida. Até ao momento tinha lido muito poucos livros dela e tinha uma maior simpatia pelo seu pseudónimo na Série Morta (que adoro).

Começando pelas personagens, considero-as credíveis e bem elaboradas. Deanna, uma jornalista inteligente, simpática mas com uma personalidade insegura. Gostei muito de Deanna e identifiquei-me muito com ela principalmente no que se refere à dedicação ao trabalho, a forma metódica como trabalha, a insegurança... É uma personagem muito simpática que vai sofrendo com alguns acontecimentos do livro. Finn, o jornalista que rouba o coração de Deanna, é um homem inteligente, observador, perspicaz, cuidador e muito protector. Finn é o verdadeiro homem modelo, que arrebata os corações das leitoras. Achei os diálogos e as discussões entre estas duas personagens muito bem elaborados e em que deixavam transparecer a inteligência e a forte personalidade de ambos.  Adorei estes dois!

Angela, uma das personagens más, é uma má que gosta de esmiuçar as partes obscuras das pessoas! É uma mulher ambiciosa que não tem em conta os meios necessários para atingir aquilo que pretende. Gostei dela e   do declínio profissional e emocional que ela vai sofrendo ao longo do livro. Considero o declínio emocional muito bem estruturado e encaixado com o perfil de Angela. 

Para fomentar mais a mente curiosa dos leitores aparece um fã obcecado por Deanna. Este aspecto, a certo momento do livro, deixou-me com os nervos aos pulos. Quando cheguei a um certo momento da narrativa, comecei a desconfiar de uma personagem em particular, mas a fantástica Nora conseguia semear pequenos momentos que me levavam a desconfiar de outros. Criava a dúvida! Eu não resisto a livros que me obriguem a pensar e andar às voltas para resolver determinado mistério, o que me levou a uma leitura compulsiva das páginas finais. A partir do momento em que este(a) fã obcecado é descoberto, as coisas desenrolam-se de uma forma uma pouco previsível e, na minha opinião um pouco apressadas. Acho que a última parte deveria ter sido mais desenvolvida. Por acaso gostaria que o final do livro fosse mais além.

Há uma pequena imprecisão na sinopse. Normalmente copio as sinopses das contra-capas do livro e enquanto passava apercebi-me de uma pequena lacuna. Deanna não se mudou para Nova Iorque. Ela permaneceu em Chicago, quem se mudou foi Angela.
Há certas partes da narrativa que também não estão claras. Por exemplo, numa parte em que descreve a partida de Finn para o Haiti leva o leitor a pensar ele irá lá passar algum tempo, mas no capítulo seguinte ela já estava em Chicago. Falta aqui uma transição, bastava uma frase a indicar que ele já tinha voltado uns dias antes.

É um livro com uma narrativa que de desenvolve rapidamente, capaz de prender o leitor desde as primeiras páginas. Cativa-nos e faz-nos envolver na história e nas personagens. Tal como no livro Jogo de Mãos, a última parte é um pouco apressava merecendo um maior desenvolvimento.

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras!
Silvana

8 comentários:

  1. YAY mais uma fã da Nora ^^
    Ah e aviso-te já que a última parte ser muito apressada já é característica desta autora, é um bocadinho frustrante mas tenho essa sensação em praticamente todos os livros que li dela --'

    PS: Não me tinha apercebido dessa lacuna na sinopse, tens bom olho ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim :) Mais um fã.
      Não me digas isso!!! Fiquei tão frustrada quando o fim não foi até ao ponto que eu queria (casamento lool). É que aquele Finn era qualquer coisa *suspiro*.

      Obrigada! Acho que às vezes é defeito. Sou uma observadora um pouco obsessiva!

      Eliminar
    2. Pois, os fins raramente vão até esse ponto, sorry :P É uma questão de te habituares, a Nora é assim xD

      Eliminar
    3. *Snif, snif* Resta-me a minha imaginação. :D Bem vou ter de me habituar... Mas o resto do livro vai compensado!

      Eliminar
  2. Eu sabia que Nora Roberts não te ia decepcionar!Bem vinda ao clube de fãs!

    ResponderEliminar
  3. Já li este livro há uns bons anos. Não é dos meus favoritos da autora, mas lembro-me bem da história. E também notei essa falha de Chicago/Nova Iorque. Enfim, quem elabora as sinopses lê os livros??
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitas vezes também coloco a mesma questão... E ainda acrescento um aspecto! Será que quem elabora as capas e as sinopse lê os livros na integra? Beijinhos

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!