segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A primeira noite (Le Premier Jour #2) opinião

Autor: Marc Levy
Ano: 2010
Editora: Contraponto
Número de páginas: 350
Classificação: 6/6

Sinopse
O amor é a derradeira aventura - mas todas as aventuras implicam perigos.
Do alto dos planaltos da Etiópia às paisagens glaciais dos Urais, Marc Levy conclui com o seu novo romance a epopeia iniciada em O Primeiro Dia.
Há uma lenda que conta que a criança no ventre de sua mãe conhece todo o mistério da Criação, da origem do mundo até ao fim dos tempos. Ao nascer, um mensageiro passa por cima do berço e põe um dedo sobre os seus lábios para que a criança nunca revele o segredo que lhe foi confiado, o segredo da vida…(…) Este dedo pousado que apaga para sempre a memória da criança deixa uma marca. Essa marca todos nós a temos sobre o lábio superior, excepto eu.
No dia em que nasci, o mensageiro esqueceu-se de me visitar, e eu lembro-me de tudo.
Opinião
A primeira noite é a continuação da aventura narrada no livro O primeiro dia. E, se pensava que não iria ficar surprendia, estava perfeitamente enganada... Este livro superou a primeira parte, em todos os aspectos.
Fiquei supreendida com os acontecimentos, com o rumo da narrativa, com o desevolvimento das personagens e claro com o final. À medida que ia lendo não era este o final que esperava, ainda conseguiu ser melhor, um pouco apressado, mas melhor do que aquilo que imaginva. Marc Levy deveria ter demorado mais um bocadinho no final e não nos oferecer todas aquelas novidades em tão poucas páginas.
As descrições que vão acompanhando a narrativa são deliciosas... Elas fazem com que nos sinta-mos na estória, permite-nos criar uma imagem mental clara dos locais e dos acontecimentos.
Depois de um ínicio um pouco confuso, Adrian e Keira têm o tão desejado reencontro e este momento é de extrema beleza e intensidade... Nunca, em nenhum livro, senti tanta intensidade nas palavras que acompanhavam a descrição deste momento. Foi muito emocionante. Aliás todo o livro está envolto em suspense, amor, aventura, sobrevivência, morte, perigo, risco... É uma leitura alucinante com um ritmo frenético. Posso dizer que, neste livro, não há momentos mortos.
Adrian e Keira são as minhas personagens preferidas... Gosto da personalidade do Adrian, um pouco na lua, mas estramente sensível, cuidadoso e amoroso para com a Keira... É daquelas persongens que gostaríamos de conhecer pessoalmente. É uma pessoa, genuína, boa, inteligente, que nos desafia intelectualmente, curioso com aquilo que o rodeia. Keira é mais insensível, mas o fascínio dela pelo seu trabalho e pelas descobertas cativa-me muito.
Apesar deste livro ser fascinante, não teria tido o mesmo impacto se não tivesse lido a primeira parte. Porquê? Porque na primeira parte criamos uma ligação com as personagens e sentimos-nos ligados ao mistério que os une. O final da primeira parte deixa-nos curiosos e ansiosos por saber o que irá acontecer. Este ponto permite-nos partir para a leitura desta segunda parte com a ânsia enorme por saber mais, por saber o que vai acontecer.
É um livro lindíssimo. E com uma mensagem muito forte... Até onde é que a nossa curiosidade pela ciência e pela origem da vida nos pode levar? O que é que a sociedade está disposta a aceitar sobre a origem da vida?
Boas leituras!

2 comentários:

  1. Fiquei curiosa.
    Quando encontrar este dois livros numa biblioteca tenho que os levar para casa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TENS MESMO! Não te vais arrepender! São de um sensibilidade e inteligência brilhantes!

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!