domingo, 6 de novembro de 2011

Poetic Dreams

Cantigas de Maio -  Zeca Afonso
Eu fui ver a minha amada
Lá p'rós baixos dum jardim
Dei-lhe uma rosa encarnada
Para se lembrar de mim

Eu fui ver o meu benzinho
Lá p'rós lados dum passal
Dei-lhe o meu lenço de linho
Que é do mais fino bragal

Minha mãe quando eu morrer

Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus mo deu Ai Deus mo levou

Eu fui ver uma donzela
Numa barquinha a dormir
Dei-lhe uma colcha de seda
Para nela se cobrir

Eu fui ver uma solteira
Numa salinha a fiar
Dei-lhe uma rosa vermelha

Para de mim se encantar

Minha mãe quando eu morrer
Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus me deu Ai Deus me levou

Eu fui ver a minha amada
Lá nos campos eu fui ver
Dei-lhe uma rosa encarnada

Para de mim se prender

Verdes prados, verdes campos
Onde está minha paixão
As andorinhas não param
Umas voltam outras não

Minha mãe quando eu morrer
Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus me deu Ai Deus me levou


São sublimes os poemas que acompanham as músicas de Zeca Afonso! As palavras que ele ofereceu às suas músicas reflectem o génio que era. São poemas com mensagens muito próprias e que, muitos deles, se aplicam na perfeição à realidade que vivemos na actualidade. Infelizmente, tal como tantos outros génios, cai muitas vezes no esquecimento...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!