terça-feira, 18 de outubro de 2011

O Recife (Nora Roberts)

Sinopse
A arqueóloga marinha Tate Beaumont, é apaixonada pela caça ao tesouro. Ao longo da vida, ela e o pai descobriram muitas riquezas fabulosas, mas há um tesouro que nunca conseguiram encontrar: a Maldição de Angelique - um amuleto de pedras preciosas, oscurecido pela lenda e manchado de sangue. Para encontrarem este artefacto precioso os Beaumonts aceitam, hesitantemente, uma parceria com os mergulhadores Buck e Matthew Lassiter. Tate não fica feliz por partilhar o seu sonho, mas não tem alternativa.
E, à medida que os Beaumonts e os Lassiters disponibilizam recursos para localizar a Maldição de Angelique, as águas das Caraíbas adensam-se com desilusões sombrias e ameaças escondidas. A parceria entre as famílias é posta em causa quando Matthew se recusa a partilhar informação - incluindo a verdade sobre a morte misteriosa do seu pai, alguns anos antes. E conforme Tate e Matthew avançam com a sua desconfortável aliança… o perigo e o desejo ameaçam emergir.”
 

Opinião
Este foi apenas o terceiro livro que li de Nora Roberts por isso não posso fazer uma justa comparação com a vasta obra da autora. Contudo, em relação àqueles que já tinha lido (Era uma vez um estrela e Oferenda Mortal) assume a posição central.

A sinopse que é apresentada na contracapa não corresponde, na minha opinião, à estória que encontramos no livro. Pela minha leitura, a interpretação que faço é que não era  Tate que andava atrás da Maldição de Angelique e sim o Matthew e o seu tio Buck! Eles é que influenciaram Tate e os seus pais e os motivaram para a procurar desta jóia.

Confesso que, inicialmente, não fiquei logo presa ao enredo. Foi um processo gradual. Acho que fiquei completamente presa a esta "busca ao tesouro" a partir da segunda parte do livro quando a família de Tate se encontra com Matthew e Buck, passados oito anos após terem trabalhado junto uma primeira vez!  A partir deste ponto, a narrativa torna-se mais complexa, com mais pormenores acerca das características das personagens e das relações que elas vão estabelecendo ao longo do desenvolvimento dos acontecimentos.

Pontos positivos do livro:  Na minha opinião, o tema da busca ao tesouro e da simbologia que este envolve esta muito bem desenvolvido. As personagens Tate e Matthew juntam esforços para procurar algo que tem uma grande importância para ambos, mas conferem-lhe um significado diferente. Enquanto que para Matthew o valor monetário e a possibilidade de se vingar de Silas (o vilão da trama) é o motor motivacional para procurar arduamente a Maldição de Angelique, por seu lado Tate é movida pelo gosto cientifico e histórico que está inerente a este objecto. Porém, embora ambos sejam movidos por objectivos diferentes, tal não impede que se articulem profissionalmente. Esta busca ao tesouro oferece-lhes um "tesouro" com valor superior: o amor e a paixão! Esta paixão, ao longo do livro conhece altos e baixos, mas no fim este é o tesouro que as personagens mais valorizam.
A opção da autora de dividir o livro em três momentos principais - passado, presente e futuro - é um outro aspecto que eu considero positivo, uma vez que confere ao livro uma certa dinâmica narrativa e evolucional da estória. Oferece ao leitor uma perspectiva do tempo em que a acção se desenvolve.

Pontos negativos do livro: Na minha opinião, o único aspecto negativo do livro é a forma como se desenrola a relação amorosa entre Tate e Matthew quando se encontram, passados oito anos, depois de se terem separado. Acho que a autora acabou transformou o amor que se viveu na primeira parte do livro em atracção física na segunda parte. No fundo, no final do livro as coisas acabam por retomar a essência mais romântica, mas pareceu-me algo estranho o aspecto frio com que a relação recomeçou por parte de ambos os personagens.


2 comentários:

  1. Eu adorei este livro! Tens de ler mais livros de NR não te irás arrepender :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão Carol... Talvez aposte neles na próxima ida à biblioteca!! Beijinhos :)

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!