segunda-feira, 27 de março de 2017

Opinião | "A Coroa de Inverno" de Elizabeth Chadwick (Leonor de Aquitânia # 2)

A Coroa do Inverno (Leonor de Aquitânia, #2)
Classificação: 4 Estrelas

A Coroa de Inverno é o segundo volume de um série histórica dedicada a Leonor de Aquitânia. No primeiro volume assistimos ao primeiros passos de Leonor no mundo dos reinados e das políticas que se vão estabelecendo. Agora, neste segundo volume somos convidados a entrar numa nova fase de vida desta rainha e dos novos desafios com que se depara. 

Aquilo que destaco desde logo neste livro é o excelente trabalho da editora com a edição. A capa consegue superar a anterior em beleza. É pessoal o gosto por cores mais frias, o que penso que dá uma tonalidade especial à capa e acabam por ser um pouco uma metáfora daquilo que será a nova vida de Leonor.
Para além da capa, o bom detalhe histórico é perceptível nas descrições bem conseguidas que nos oferecem boas imagens mentais da realidade da época. 

Relativamente às personagens, estas são muito bem apresentadas, permitindo-me construir um conjunto de opiniões e sentimentos muito sólidos em relação às mesmas. Assim, e de um modo mais geral, posso dizer que fiquei extremamente desiludida com Henrique. Não espera que ele se tornasse no homem que vim a conhecer ao longo destas páginas e sofri com Leonor por ter que lidar com um homem que se deixava dominar pela sua sede de poder e pela sua testosterona. 
Isabel e o irmão bastado de Henrique são um casal que gostei de conhecer e comecei a torcer por eles muito antes de o seu enlace se tornar oficial. Também sofri por Isabel nos seus momentos mais negros. 

Em alguns momentos senti falta da Leonor do primeiro volume. Apesar de a sua fibra e tenacidade se manterem intactas, ela, por força das circunstâncias, teve de as adormecer. Viveu momentos muito complicados e isso fez com que ela brilhasse um bocadinho menos. Admiro a sua coragem, principalmente nos momentos finais do livro que me deixaram muito, muito curiosa para saber  que se segue. 

A narrativa, apesar da sua densidade factual, tem uma boa dinâmica. Prendeu-me à leitura e ficava sempre curiosa por ver o que aconteceria de seguida. 
O final é extremamente sugestivo abrindo a porta da curiosidade para os acontecimentos que precedem este volume. 

Opiniões anteriores:

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Palavras Memoráveis


Não sabes o que é sentires-te encurralado, sem saída, sem esperança. Esforçares-te tanto e nunca, nunca conseguir uma brecha.
Julia Quinn, Para sir Phillip com amor

terça-feira, 21 de março de 2017

Dia Mundial da Poesia

Resultado de imagem para poetry
Hoje é o dia Mundial da Poesia. 
Não sei qual é a vossa relação com este género literário, mas eu gosto bastante de ler poesia. Infelizmente já há muito tempo que não pego num livro deste género, mas é algo que quero mudar ao longo deste ano.

Para assinalar este dia, deixo-vos uma "espécie" de poema que eu escrevi.

Há molduras vazias
Espalhadas pela casa
Que guardam a vã esperança
De serem preenchidas
De momentos... De sonhos realizados

No interior de ti
Essa esperança vai morrendo
O silêncio e o vazio das molduras 
Fazem eco na tua cabeça
E tudo fica escuro dentro de ti

Mas tu queres ocupar essas molduras
Queres, que dentro de ti, 
A luz se acenda e brilhe da forma mais intensa
Queres que o silêncio
Seja, apenas, o doce murmúrio dos bons sentimentos

Então caminhas,
Rápido, devagar... rápido, devagar...
Porque no fundo de ti
Apesar do negro que pinta os teus pensamentos
O teu coração jamais deixou
Que a pequena chama do sonho e da esperança
Se apagasse
(Março de 2017)

Não nenhuma obra prima... É apenas uma forma de eu brincar com as palavras e uma forma de lidar com os muitos sentimentos, angustias, revoltas e sonhos que fazem eco dentro de mim.
Ansiosa pela vossa opinião. 

segunda-feira, 20 de março de 2017

Listas | Lista de livros a ler na Primavera


Hoje começa a primavera e cá estou eu para vos apresentar a minha lista de livros a ler durante esta estação.

Antes de vos mostrar os livros que pretendo ler, farei o balanço da minha lista de inverno e do estado das listas anteriores. 

Em relação à lista de inverno de 2016/2017 estou muito contente com o meu desempenho. Pela primeira vez desde que comecei a fazer listas que consegui terminar uma dentro do tempo estipulado. 

Podem ver a minha lista aqui.

Relativamente às listas das estações anteriores continuam todas na mesma situação. 

Para esta primavera quero perder-me por...

1. Para sempre não é muito tempo de Carolina Pascoal
2. Mors tua, vita mea: a tua morte, a minha vida de Vanessa Santos
3. Eleanor & Park - Rainbow Rowell 

Para Sempre não é muito tempoMors Tua, Vita Mea: A tua morte, a minha vidaEleanor & Park

4. Mil sóis resplandecentes de Khaled Hosseini
5. Perfeito para mim de Jill Shalvis
6. Apenas um desejo de Barbara O'Connor

Mil Sóis ResplandecentesPerfeito Para Mim (Cedar Ridge, #2)Apenas um Desejo

7. Soberba Ilusão de Andreia Ferreira
8. Regresso a Mandalay de Rosanna Ley
9. Casamento em Veneza de Elizabeth Adler
10.Uma noite de amor de Mary Balogh

Soberba Ilusão (Trilogia Soberba, #3)Regresso a MandalayCasamento em VenezaUma Noite de Amor (Bedwyn Prequels #1)

domingo, 19 de março de 2017

Resultado do Passatempo

O passatempo para ganhar o livro "Maria, vai-te deitar! e outros contos" terminou ontem.
Hoje já fiz o sorteio e a vencedora foi:

A inscrição número 15
que pertence à
Ana Isabel Machado 
de Santo Tirso


A vencedora terá 48 horas para responder ao e-mail que lhe foi enviado. Se não responder farei novo sorteio.

Desde já agradeço a todas as pessoas que participaram no passatempo.

sábado, 18 de março de 2017

Divulgação | "Para sempre não é muito tempo" de Carolina Pascoal




                                   Para Sempre não é muito tempo





Autora: Carolina Pascoal
Editora: Capital Books
Preço: 14.50€
Número de Páginas: 290 páginas






Sinopse
Gonçalo é um advogado de 46 anos que entra numa depressão sombria quando Leonor, o amor da sua vida, decide sair de casa sem hipótese de reconciliação e lhe pede o divórcio. Desesperado e cansado de travar uma luta contra a solidão, Gonçalo decide pôr termo à vida e numa madrugada conduz até à ponte de Santa Clara, em Coimbra, para se atirar às águas do rio Mondego. Mas é nesse momento que ouve a voz de Francisca, que lhe traz o poder das segundas oportunidades.
A consciência de que vamos sempre a tempo de ser felizes outra vez. Mas se o destino quis que a Francisca aparecesse naquele momento, continuará a querer que fique durante muito tempo?
Uma história de amor única, por não haver dois dias iguais, duas pessoas iguais, dois amores iguais. Traz-nos as dúvidas, os recuos, os desvios e as paragens dos corações apaixonados, enquanto nos mostra que para sempre não é muito tempo, quando para sempre é a única opção possível.


A autora
Ana Carolina Freitas Pascoal nasceu em 1992 na cidade da Figueira da Foz. Atualmente reside em Lisboa.
É licenciada em Psicologia Clínica, a maior das suas paixões, tendo concluído os seus estudos na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. O gosto pela escrita surgiu desde cedo. Quando frequentava o 3º ciclo do ensino básico, ganhou dois Concursos Literários promovidos pela escola EB 2/3 Dr. João de Barros, na categoria
de prosa. “Para sempre não é muito tempo” é o seu primeiro manuscrito, que escreveu quando se mudou para Lisboa.

O que me motiva para esta leitura?
  • Gostei do título. Apesar de ser extenso, acho-o sugestivo.
  • Partilho com a autora a paixão pela psicologia.
  • O facto de o romance se centrar em personagens mais maduras. 

quinta-feira, 16 de março de 2017

Palavras Memoráveis


Talvez essa fosse a definição de amor. Desejar uma pessoa, precisar dela, adorá-la a tal ponto que, mesmo furioso, se estava pronto a amarrá-la à cama apenas para a impedir de sair e arranjar mais problemas.
Julia Quinn, A grande revelação